A coletividade responsável pela Marcha do Alto do Pina acusa a EGEAC de “mudança de regras a meio do jogo”.

Isto porque no sorteio da passada quarta-feira foi aplicado o novo regulamento para as Marchas Populares, que só deveria ter efeito a partir do concurso de 2018. 

Neste escrutínio, a Marcha do Alto do Pina foi ao “pote” por ter ficado em penúltimo lugar em junho deste ano, juntamente com Belém (com a qual ficou ex aequo), Santa Engrácia e Benfica, últimas classificadas em 2017.

Contudo, o regulamento anterior previa que apenas as duas (e não três) últimas classificadas iram ao sorteio do “pote” para ver quem permanecia no concurso em 2018.

Neste caso, a Marcha do Alto do Pina acabou por ficar fora do evento do próximo ano.

<script async src=”//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js”></script> <ins class=”adsbygoogle” style=”display:block” data-ad-format=”fluid” data-ad-layout-key=”-3s-u-r3-ce+3ej” data-ad-client=”ca-pub-8808398246872756″ data-ad-slot=”3809925068″></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>

Pedro de Jesus, representante do Ginásio Alto do Pina, disse ao Olhares de Lisboa que estão a tomar medidas para que “o processo seja revisto” e sugere, caso não seja possível repetir o sorteio, e para não prejudicar qualquer coletividade, que todas as marchas participem em 2018, a título excecional.

O associativista esteve presente no sorteio e revela que os próprios responsáveis pela EGEAC estavam “com dúvidas” em relação a este ponto, mas que decidiram na altura aplicar as regras de 2018, apesar da contestação manifestada logo na altura pela maioria das marchas.

Pedro de Jesus recorda ainda que este novo regulamento, aprovado pela EGEAC em fevereiro deste ano, e que só deveria entrar em vigor a partir de 2018, também não foi redigido com a participação das coletividades.

Adianta também que, até ao momento, a empresa municipal não deu qualquer resposta sobre um conjunto de alterações que as coletividades enviaram, depois de um encontro na Voz do Operário em setembro.

Ao Olhares de Lisboa, a EGEAC defende que “todas as marchas foram informadas via email das condições do concurso, publicadas a 23 de fevereiro” e que as novas regras “revogavam todas as anteriores e com aplicação a partir do Concurso de 2018”, inclusive.
<script async src=”//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js”></script> <ins class=”adsbygoogle” style=”display:block” data-ad-format=”fluid” data-ad-layout-key=”-3s-u-r3-ce+3ej” data-ad-client=”ca-pub-8808398246872756″ data-ad-slot=”3809925068″></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>

“Esta questão está referida no artigo 32º das Condições do Concurso das Marchas Populares em vigor”, refere a empresa municipal.

A EGEAC informa ainda que “não foi, formalmente, notificada de qualquer contestação, pelo que não temos qualquer declaração a prestar sobre o assunto” .Entretanto, o sorteio da passada quarta-feira determinou o seguinte alinhamento: Marcha da Voz do Operário, Marcha dos Mercados, São Vicente, Alfama, Olivais, Marvila, Ajuda, Lumiar, Benfica, Alcântara, Bairro Alto, Belém, Boavista, Madragoa, Mouraria, Bica, Graça, Campolide, Carnide, Castelo, Penha de França e Campo de Ourique.
Outras noticias que mais recentes: 

O QUE AS MARCHAS QUEREM ALTERAR?

O ATUAL REGULAMENTO

COMISSÃO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL APROVA RECOMENDAÇÃO | Alto do Pina nas marchas “a título excecional”

EXCEÇÃO SÓ SERÁ APLICADA ESTE ANO | Vinte e três marchas vão descer a avenida