“Zanguei-me com um grande amigo, que agora estou a homenagear”, recorda João Ramos, tesoureiro do Centro Cultural Dr. Magalhães Lima (CCML) e coordenador da marcha de Alfama.

“Agarrámo-nos ao trabalho, ganhámos e fizemos com que ele voltasse mais tarde à nossa marcha”, recorda, referindo-se a Carlos Mendonça.

“Ele na altura chateou-se, foi-se embora, respeitei isso mas fiquei magoado”. A associação sentia que não fazia sentido o afastamento, e que o figurinista tinha que voltar. Só regressou “depois de Alfama ganhar sem ele. Voltou no ano seguinte a essa vitória sem ele, e morreu três anos depois”.

No mesmo dia em que apresentou a sua marcha de 2017, o CCML deu o nome de Carlos Mendonça ao seu salão, que conta agora com uma placa alusiva ao artista. Nela se lê “Salão Carlos Mendonça – uma vida a amar Alfama”.

A homenagem, explica João Ramos, “tem a ver com  importância que teve para nós. Não podíamos deixar de recordá-lo. Dizem que tinha mau feitio mas é bom recordar as pessoas, mesmo que tenham mau feitio”.

Sagres - Patrocinador Principal "Olhares de Lisboa - Marchas Populares 2017

 

 

Deixar uma resposta