Em 2007, celebraram-se as Bodas de Diamante daquela que constitui a manifestação popular mais importante da capital portuguesa: as Marchas.

Nesse ano foi homenageado o cineasta e jornalista Leitão de Barros, considerado o pai das Marchas Populares, manifestação cultural  que, ao longo dos anos, têm “enobrecido Lisboa, projetando a alegria das suas gentes, sem, contudo, se cristalizarem no tempo”.

No ano das comemorações do seu 75° aniversario, as marchas populares serviram para projetar Lisboa como uma capital atlântica da cultura. Aliás, para celebrar a data e cumprir o então “princípio de internacionalização”, desceram a Avenida, para além das 22 coletividades de bairros lisboetas, um agrupamento de Castéllon de la Plana (Espanha) e outro de Salvador da Baía (Brasil), tendo a cantora Daniela Mercury como madrinha.

A jeito de homenagem ao criador das marchas populares, que se inspirou na “expressão da velha tradição lisboeta dos grupos populares, com suas danças e cantares, em honra dos santos de Junho, a Grande Marcha de Lisboa 2007 cantava: “Com os bairros tão amigos,/ Ela vem/ A desfilar;/Os costumes bem antigos/Ela tem/Para nos mostrar”.

A marcha dos Mercados, que nunca vai a concurso, dava ênfase às comemorações do aniversário das marchas e cantava: “Setenta e cinco anos/Estão as marchas a comemorar/E Santo António,/Cada vez mais folião/...Como é bom entoar/E Santo António/Cada vez mais folião”.

Mas, como não poderia deixar de ser, o espírito popular das festas também era retratado e, assim,  os marchantes lá iam cantando que “Beijos de Lisboa/Andam soltos pelo ar;/Beijos de Lisboa,/Com os seus bairros a cantar” e, para reforçar a ideia do espírito dos arraiais que, como hoje, existiam por toda a Lisboa, lá iam cantarolando: “Arraiais, fogueiras, chouriço, sardinha, vinho tinto e pão” marcam as bodas de platina das marchas populares.

Em 2007, a Câmara Municipal de Lisboa assumia, claramente, que as marchas “tem um papel de relevo na projeção internacional das festas de Lisboa e do País, que são, por isso, apontadas como uma das melhores festas realizadas na Europa, pela sua capacidade organizativa, crescimento e envolvimento dos seus participantes”.

Desfilaram, nesse ano, na Avenida e no pavilhão Atlântico, as seguintes marchas: Infantil da Voz do Operário, Mercados, Ajuda, Alcântara, Alfama, Alto Pina, Bairro Alto, Beato, Bela Flor, Benfica, Bica, Campolide, Carnide, Castelo, Graça, Lumiar, Madragoa, Marvila, Mouraria, Olivais, Santa Engrácia e São Vicente.

Marcha de Alfama foi a grande vencedora das Marchas Populares de Lisboa 2007, com o tema: Alfama e As Suas Gentes

( Notícia em desenvolvimento)

Para ler no seu computador ou telemóvel  Olhares de Lisboa | 1º trimestre 2019

Jornal-OL7-caderno-OP.pdf

Subscrever notícias via e-mail

Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos

Junte-se a 12.744 outros subscritores

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.