A Câmara Municipal de Almada está a implementar o Plano de Emergência Social Covid-19, para garantir o acesso a bens e serviços de primeira necessidade.

O Plano Municipal de Emergência Social Covid-19, agora lançado, tem como objetivo minimizar os impactos sociais e económicos, inerentes a esta situação excecional, e reduzir a exposição da população mais vulnerável, garantindo o acesso a bens e serviços de primeira necessidade, a idosos e outros grupos de risco, através de uma rede de apoio domiciliária.

Este Plano de Emergência Social tem como público-alvo todas as pessoas que, independentemente da sua condição financeira, estão em quarentena ou isolamento e a «quem foi imposto o dever especial de proteção, que são grupo de risco e não dispõem de rede de suporte», adianta enviada aos órgãos de Comunicação Social pela edilidade, revelando ainda que, paralelamente, serão integradas as «situações sinalizadas pelas entidades sociais e de saúde».

Para dar uma resposta cabal às necessidades, a autarquia criou uma Linha verde de Emergência Social, o 800 10 20 40 que estará disponível todos os dias úteis, das 9h às 19h, e ao fim de semana, entre as 9h e as 14h. As chamadas serão analisadas pela equipa da Câmara de Almada que, depois, reencaminhará para o respetivo serviço de forma a operacionalizar o pedido.

São os seguintes os bens e serviços disponibilizados: Refeições confecionadas; Cabazes de alimentos: cereais, fruta, produtos lácteos, legumes, leguminosas, entre outros; Medicamentos de primeira necessidade; Dogwalking – passeio de animais domésticos; e Apoio psicológico à distância

Para a implementação do Plano de Emergência Social, a Câmara estabeleceu parcerias com:  Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada/Seixal; Hospital Garcia de Orta; Santa Casa da Misericórdia de Almada; Centro Paroquial Nossa Senhora da Conceição (Costa da Caparica); Uniões/Junta de Freguesia do Concelho de Almada; e Provedor Municipal dos Animais