Trinta milhões de euros vão ser transferidos pela Câmara de Lisboa para as juntas de freguesia da capital para a limpeza urbana.
A Câmara Municipal de Lisboa apresentou, hoje, um conjunto de 10 medidas de Higiene Urbana para o reforço da limpeza de ruas. Fernando Medina e Duarte Cordeiro, respectivamente presidente e vice-presidente da Câmara de Lisboa, fizeram questão de realçar que estas medidas pretendem, essencialmente, “fazer frente ao aumento substancial da produção de resíduos”, provocado pela pressão turística e, também, pela criação de novos empregos na capital.

Fernando Medina, que lembrou que Lisboa vai ser Capital Verde Europeia em 2020, salientou que “aumentaram as exigências das cidades no tratamento dos estudos” e, por isso, o papel das juntas de freguesia é importante para a implantação destas medidas, recordando que Lisboa produz, diariamente, 320 601 toneladas de resíduos.

Assim, nos próximos três anos, vão ser transferidos 30 milhões de euros para as juntas, ou seja 10 milhões anualmente (7,6 milhões da taxa turística e 2,4 milhões de verbas municipais), para acabar com o lixo nas ruas da capital.
As juntas, com este novo reforço de competências, vão assumir um papel mais preponderante na fiscalização do sistema de recolha a ser implementado.  Aliás, tanto Fernando Medina como Duarte Cordeiro, após terem revelado que vai ser proibido o consumo de plásticos descartáveis em espaços públicos, anunciaram que as juntas vão ter mais responsabilidades no licenciamento e fiscalização desses espaços, designadamente esplanadas que são obrigadas a terem cinzeiros e papeleiras.

Desta forma, as juntas vão poder multar todas os espaços públicos que prevariquem na colocação de lixos na rua.

Segundo as medidas agora apresentadas, os espaços públicos vão ser obrigados a limpar, num raio de dois metros, os passeios. Quem o não fizer está sujeito a uma multa que, em exagero, poderá rondar os 44 mil euros.

Contudo, como reconhece, para a implantação destas medidas é necessário contratar mais 300 cantoneiras em 2019.

Mas, como reconhecem os responsáveis da autarquia, estas medidas só podem ser implementadas com as pessoas e, por isso, vão lançar uma campanha de sensibilização, virada para os lisboetas e para o tecido económico da capital. De referir que estas medidas ainda vão estar sujeitas a debate público e aprovação em Assembleia Municipal.

As 10 medidas 

(Reportagem mais desenvolvida na edição impressa de Olhares de Lisboa)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.