A nova Casa das Artes de Carnide, um projeto do Orçamento Participativo, foi inaugurada ontem, quinta-feira, pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Mais um polo cultural nasceu ontem em Lisboa, resultante da vontade dos cidadãos, através de uma proposta vencedora do Orçamento Participativo de Lisboa 2017/2018. Trata-se da nova Casa das Artes de Carnide, promovido pelo Espaço Boutique da Cultura que – segundo o seu diretor Paulo Quaresma – «acredita numa cultura para todos, descentralizada e que permite uma intervenção local eficaz».

Desta forma, o Espaço Boutique da Cultura é «apenas o pretexto para fazer acontecer cultura e cidadania».

A Casa das Artes de Carnide pretende ser «um equipamento cultural de proximidade com as valências de pequena sala polivalente de espetáculos e espaços de formação, instalado numa estrutura modular, que funciona como um equipamento cultural de proximidade, em articulação com a comunidade e os parceiros locais».

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, as vereadoras da Cultura, Catarina Vaz Pinto, e da Habitação, Paula Marques, a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, e o eurodeputado João Ferreira, do PCP, e o provedor da Santa Casa da Misericórdia, Edmundo Martinho, procederam à inauguração deste espaço  na Av. do Colégio Militar, em frente à Rua Adelaide Cabete (Quinta da Luz).

Fernando Medina realçou que a Boutique da Cultura «é uma colmeia cheia de grandes ideias», o que lhes permitiu terem três propostas vencedoras do Orçamento Participativo de Lisboa (OP): «Em 2017, inauguramos, com o Paulo Quaresma, a Incubadora de Artes que abriu portas para acolher artesãos e empresas da área criativa da freguesia. Em 2018, foi a vez de inaugurarmos a Livraria Solidária de Carnide, com o objetivo de fomentar hábitos de leitura e promover o acesso aos livros. Agora, em 2019, inauguramos a Casa das Artes, vocacionada para o apoio às artes performativas, com a criação de espaços multiusos, como um auditório, uma sala de estúdios e um estúdios de gravação», referiu o autarca.

Cultura para todos

«Fazer chegar o desenvolvimento a todos os bairros» é um dos grandes desafios da cidade, diz o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, para quem a abertura da Casa das Artes é ilustrativa desse esforço que pretende «dar espaço a quem quer criar e crescer».

Ao permitir mais oferta cultural e mais oportunidades para os jovens daquela zona, este projeto «vem colmatar uma lacuna» naquela zona, diz o edil, que saúda a Boutique da Cultura pela iniciativa. «Este é o projeto certo no sítio certo», sublinha, acrescentando que «este equipamento é de cultura, no sentido daquilo que nós partilhamos, nos marca e nos identifica».

E, é assim, que faz questão de salientar: «conseguimos que exista o acesso à cultura, porque precisamos dela como “o pão para a boca”».

Paulo Quaresma, presidente da direção da Boutique da Cultura, salienta a mobilização coletiva e o espírito participativo em todo o processo. Não só na votação que deu a vitória ao projeto mas também na sua materialização.

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.