DETEÇÃO PRECOCE DO CANCRO COLORRETAL EM CASCAIS

Está a decorrer a nível nacional até 13 de maio uma campanha de sensibilização para a prevenção e deteção precoce do Cancro Colorretal, responsável pela morte de 2.972 mortes em Portugal. A Câmara de Cascais, associada ao Grupo Ageas, Fundação Ageas, Médis e Europacolon, está a realizar uma campanha para a deteção precoce a doença.

Até 13 de maio, a Câmara Municipal de Cascais, em parceria com o Grupo Ageas, a Médis, a Fundação Ageas e a Europacolon, está a desenvolver uma campanha de deteção precoce do cancro colorretal junto da população do concelho.

Desta forma é possível fazer o rastreio desta doença de forma simples e gratuita, basta ter entre 50 e 74 anos, ser assintomático, sem histórico de neoplasia e/ou pólipos colorretais; doença inflamatória intestinal (exemplo: colite ulcerosa ou doença de Crohn) ou história familiar em 1.º ou 2.º grau de cancro colorretal ou adenoma.

De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa de Cancro – da Organização Mundial de Saúde (International Agency of Research on Cancer – World Health Organization)-, o cancro colorretal em Portugal foi responsável por 10.501 novos casos e 2.972 mortes em 2020, sendo que 90% dos casos são detetados a partir dos 50 anos e 85% dos casos surgem sem qualquer relação de história familiar.

Este “Movimento 50+” tem como principais objetivos: promover o diagnóstico precoce; contribuir para o tratamento atempado do cancro; melhorar o conhecimento da população portuguesa sobre a doença, os fatores de risco e o diagnóstico precoce e referenciar e acompanhar as pessoas com resultado positivo.

Em Cascais o processo de inscrição no rastreio é o seguinte: para iniciar, o munícipe deve ser portador do cartão Viver Cascais (físico ou digital) e fazer a sua inscrição através da Linha Cascais (800 203 186). De seguida, deve aguardar a receção de um SMS com o código de rastreio (o tempo de espera para a receção do SMS é de 48 horas);





O próximo passo é dirigir-se a um dos laboratórios Germano de Sousa ou Unilabs aderentes à campanha (ver quais estão disponíveis aqui) e indicar o código de rastreio recebido para levantar o kit de recolha para o teste de pesquisa de sangue oculto nas fezes. Em seguida, deve fazer a recolha da amostra para análise, de acordo com a informação do processo partilhada. O resultado ser-lhe-á entregue posteriormente pela unidade aderente;

Os casos positivos para sangue oculto nas fezes serão contactados pela Europacolon – Associação de Apoio ao Doente com Cancro Digestivo para melhor esclarecimento e acompanhamento.

Saiba mais Aqui

Publicidade:

Quer comentar a notícia que leu?