O passado domingo, dia 28 de julho,  foi dia de festa «rixa» caboverdiana no bairro dos Barronhos, na Outurela, que foi aproveitado pelo vereador Pedro Patacho para anunciar a construção de 500 casas municipais em Oeiras.Durante três dias, pelas ruas do bairro de Barronhos, em Oeiras, ecoaram os sons das mornas, coladeras, funana e batuque, em comemoração das festas de «Nhu Santiagu» e do dia do muncipio de Santa Cruz, um concelho do interior da ilha caboverdiana de Santiago.

As festas terminaram com uma grande cachupada oferecida a todos os residentes desta localidade da União de Freguesias de Carnaxide e Queijas, onde a cultura e o viver do cabo-verdiano estiveram sempre presentes.

Após a missa campal, celebrada pelo padre José Manuel, o vereador Pedro Patacho, da Câmara Municipal de Oeiras, anunciou que, «em setembro, a edilidade vai apresentar um programa de construção de mais 500 novas casas municipais», porque «é um direito das pessoas: terem uma habitação condigna».

O autarca, após ter salientado que «em Oeiras cuidamos uns dos outros», sublinhou que a Câmara «está a trabalhar na implementação de mais equipamentos urbanos, a reabilitar e a construir mais habitação», criando assim mais «conforto» para os seus munícipes.

Um outro aspeto abordado pelo edil foi a educação. Pedro Parracho apelou aos pais para «terem atenção ao desempenho escolar dos filhos», acompanhando todas as atividades das escolas.

Inigo Pereira, presidente da União de Freguesias de Carnaxide e Queijas, que enalteceu o papel desempenhado pelo padre José Manuel junto das diferentes comunidades da Outurela, lembrou que Carnaxide «foi enriquecida com a chegada dos imigrantes».

Inigo Pereira, depois de referir a importância da realização deste tipo de eventos culturais e religiosos por mostrarem novas culturas e maneiras de estar e viver para a União de Freguesias, recordou o papel desempenhado pela autarquia oeirense, nomeadamente do seu presidente, Isaltino Morais, na criação de condições condignas de alojamento, através dos diferentes programas habitações que têm lançado.

Segundo Inigo Pereira, a União de Freguesias de Carnaxide e Queijas tem desenvolvido um trabalho intenso em todas as localidades no capítulo da higiene urbana e nos apoios às famílias mais carenciadas, designadamente no Bairro dos Barronhos.

Por seu turno, a vereadora cabo-verdiana do município de Santa Cruz Jamira Duarte, defendeu que os imigrantes cabo-verdianos de Santa Cruz são «verdadeiros embaixadores dessa autarquia cabo-verdiana junto da comunidade oeirense», tendo realçado os laços de amizade existente entre Cabo Verde e Portugal e as respetivas autarquias.

Do interior de Santiago para o concelho de Oeiras

Promovida pela Associação dos Amigos de Santa Cruz, esta manifestação contou ainda com a presença dos vereadores da Câmara de Oeiras Nuno Neto, Teresa Bacelar e Susana Batista, e com a representante do embaixador de Cabo Verde em Portugal, Ana Pires. Todos os anos, a comunidade cabo-verdiana dos Barronhos celebra, com festa rija, o «Nhu Santiagu», uma festa comemorativa do dia do município cabo-verdiano de Santa Cruz e também o dia do santo padroeiro do município, o apóstolo São Tiago.

Assim, em finais de julho, a Associação dos Amigos de Santa Cruz, presidida por Joaquim Lopes Tavares, leva a Barronhos vários artistas cabo-verdianos e, também, portugueses que «sentem a alma, a saudade e a morabeza» das gentes desta comunidade que emigrou nos anos 70 do século passado para Portugal, mais propriamente para o concelho de Oeiras.

O presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, é um dos 20 mordomos desta festa, que conta com o apoio do presidente da União de Freguesias de Carnaxide e Queijas, Inigo Pereira, que defende que estas festas contribuem para uma maior inclusão social das diferentes comunidades que habitam na zona, lembrando que por lá passam alguns dos interpretes mais conhecidos das mornas e coladeras e, como não poderia deixar de ser, as batucadeiras da ilha de Santiago.

Joaquim Lopes Tavares, que salienta o apoio que, desde sempre, lhe foi concedido pela Câmara Municipal de Oeiras e pela União de Freguesias de Carnaxide e Queijas, faz questão de realçar as atividades de solidariedade social e cultural desenvolvidas pela Associação dos Amigos de Santa Cruz que, com estes eventos, angaria alguns fundos que lhes permitem dar um maior apoio as comunidades mais carenciadas do bairro dos Barronhos.

Além dos cabazes alimentares que regularmente distribuem junto das comunidades, principalmente cabo-verdiana e cigana, a Associação promove passeios culturais e religiosos para os mais velhos e para as crianças. «Vamos com as nossas crianças e idosos a vários pontos do país», afirma o presidente desta associação cabo-verdiana, acrescentando que os aspetos culturais e a ligação a Cabo Verde estão sempre presentes nestes passeios, sendo «um dos focos» da atividade da instituição: a promoção e divulgação da cultura desse país de expressão oficial portuguesa.Do ponto de vista de Joaquim Tavares, os aspetos culturais e musicais estão sempre presentes, lembrando que Santa Cruz é a terra natal de Orlando Pantera, Catchás, Nha Nácia Gomes, Elida Almeida e Thairo Costa, alguns dos nomes mais sonantes da música de Santiago.

Criada já lá vão 16 anos com o apoio da então presidente da Câmara, Tereza Zambujo, e do padre José Manuel, da Outurela, a Associação dos Amigos de Santa Cruz luta neste momento por um espaço próprio para instalarem a sua sede que, provisoriamente, está situada na Associação de Moradores de Barronhos.

 

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.