ESCUTEIROS DE QUEIJAS TAMBÉM VÃO TER NOVA SEDE

0

Os escuteiros de Queijas também vão ter uma sede nova, construída em sistema modelar em madeira, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, durante a inauguração da sede do agrupamento de escuteiros de Barcarena.

O presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, inaugurou a nova sede do agrupamento 1278 de Barcarena, do Corpo Nacional de Escutas, junto ao futuro Parque Urbano da Quinta da Politeira, que vai ser requalificado no âmbito da estratégia do Novo Ciclo de Desenvolvimento para conforto urbano do concelho, implicando um investimento de dois milhões de euros.

Aproveitando a presença do Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Joaquim Mendes, Isaltino Morais anunciou que os escuteiros de Queijas vão ser os próximos a receberem uma nova sede, construída em madeira. Este modelo de construção, anunciou o autarca, vai ser usado para a edificação de outras sedes de escuteiros em Oeiras, tendo em conta que a construção modular em madeira assume atualmente uma importância crescente na arquitetura moderna, quer seja em habitação, em projetos de lazer e entretenimento ou em infraestruturas de turismo.

Isaltino Morais e a presidente da Junta de Freguesia de Barcarena, Sandra Marques Cortes, salientaram a importância do movimento escutista no concelho. Para Sandra Marques, a inauguração da sede dos escuteiros de Barcarena representa a concretização «de um sonho», que irá permitir aos escuteiros «cumprirem cabalmente» o seu papel na formação dos jovens da freguesia.

A nova sede dos escuteiros de Barcarena, um espaço, construído de raiz, dotado de área e conforto adequados ao desenvolvimento das atividades dos seus 76 elementos (crianças, jovens e adultos), implicando um investimento de 550 mil euros (terreno e construção), é demonstrativa – do ponto de vista de Isaltino Morais – da «relação profunda existente entre a Câmara de Oeiras e as paróquias do concelho, à semelhança do que já existe com o Estado, que tem contribuído para o desenvolvimento e para a coesão social do concelho».

Os Escuteiros de Barcarena foram fundados em 2005 e desde 2015 utilizam as instalações do edifício 51, localizado na Fábrica da Pólvora, em Barcarena, e, por isso, necessitavam de um edifício «funcional que permite viver a vida, em harmonia com a natureza e que permite uma maior eficácia ao combate às alterações climática», sublinhou Isaltino Morais, relembrando que a pré-fabricação tem vindo a ganhar terreno face à construção tradicional, uma vez que permite a realização de projetos com novas soluções arquitetónicas, orçamentos competitivos e timings de implantação reduzidos.

O edil, que se encontrava acompanhado pelo vice-presidente, Francisco Gonçalves, pela vereadora do pelouro da Saúde, Teresa Bacelar, pelo vereador da educação, Pedro Patacho, recordou que este «modelo construtivo, que permite a edificação num curto espaço de tempo (seis meses), foi utilizado na construção da sede do agrupamento 1354 S. Julião da Barra, proporcionado aos seus 147 elementos (crianças, jovens e adultos) um novo espaço, dotado de área e conforto adequados ao desenvolvimento das suas atividades. O edifício dos escuteiros de S. Julião da Barra, em madeira, tem cerca de 340 m2, com um piso térreo e uma mezzanine, dispondo ainda de uma torre de atividades que inclui uma parede de escalada.

Prometendo a resolução do problema das sedes dos escuteiros, o autarca fez questão de lembrar que Oeiras é o terceiro município a nível nacional com mais agrupamentos de escuteiros (13), desenvolvendo um papel importante no tecido associativo juvenil existente no concelho como mobilizador do desenvolvimento social e local junto das crianças e jovens, bem como na ocupação de tempos livres, voluntariado e educação não formal.

Do ponto de vista de Isaltino Morais, naquela que é a sua estratégica de apoio à juventude e com o objetivo de proporcionar melhor condições aos agrupamentos de escuteiros, o investimento municipal é um contributo fundamental nos processos de educação e socialização das crianças e dos jovens de Oeiras.

«O movimento escutista é um movimento muito importante, jovens, católicos, que naturalmente em todos os seus princípios, é subjacente a formação religiosa, mas essencialmente que passa pelo culto de valores, que tem a ver com a amizade, solidariedade, o fazer bem ao próximo», salientou Isaltino Morais, lembrando que a «educação para a cidadania apregoada pelo Escutismo é muito mais que a ajuda do idoso atravessar a rua.»

O padre Raimundo Sapalo Mangens pároco de Barcarena, presidiu à cerimónia de bênção da nova sede dos escuteiros desta freguesia de Oeiras.

Quer comentar a notícia que leu?