Os vistos gold contribuíram, nos últimos anos, para um aumento significativo das rendas em Lisboa, contribuindo também pelo disparar dos preços do mercado imobiliário.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, defende que o processo de atribuição e o “preço” dos vistos gold – atualmente fixado nos 500 mil euros – deve ser revisto para que se encontre “uma fórmula que permita que sejam modulados” em função dos diferentes territórios nacionais.

Em declarações ao “Jornal de Negócios”, o presidente da Câmara de Lisboa considera que faz “todo o sentido repensar os vistos gold”. Lisboa é o município mais afetado, ao nível nacional, pela procura dos vistos gold, que contribuíram, nos últimos anos, para um aumento significativo das rendas na capital e têm também sido apontados como uma das razões para os preços do mercado imobiliário terem disparado, em particular no centro histórico da cidade.

“O instrumento dos vistos gold foi criado quando o país vivia um determinado ciclo económico” e, no caso concreto da capital, “teve um papel importante do ponto de vista da atração de investimento”, mas agora está a contribuir para a alta dos preços, afirma Fernando Medina.

“É importante que se encontre uma fórmula que permita que o instrumento seja modulado aos territórios”, uma vez que as diferentes zonas do país têm “diferentes necessidades de desenvolvimento e de investimento”, adianta.

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.