ISALTINO MORAIS LAMENTA VER O SEU NOME ASSOCIADO A GUERRAS PARTIDÁRIAS

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, enviou um esclarecimento à comunicação social, na tarde desta quarta-feira, dia 9 de novembro, no qual nega ter influência na contratação como secretária do gabinete do PSD naquela autarquia, da mãe de Alexandre Poço, antigo candidato deste partido à Câmara de Oeiras nas autárquicas de 2021, desconhecendo este grau de parentesco, e lamenta que o seu nome esteja a ser usado em “guerras internas” no PSD, partido do qual Isaltino Morais abandonou em 2005.

“Como presidente da Câmara de Oeiras e pessoalmente, venho lamentar que guerras internas em estruturas do PSD, através de denúncias anónimas, arrastem o meu nome para a praça pública”, escreveu Isaltino Morais na nota enviada às redações, ressalvando que, nesta autarquia, “não há trocas de favores e de lugares ou uso de dinheiros públicos para adquirir poder nas estruturas de partidos”.

O edil de Oeiras refere-se assim às notícias divulgadas esta semana que o acusam de estar envolvido em esquemas de contratos fictícios para benefícios próprios, e que para além de Oeiras, envolveram ainda buscas na Câmara de Odivelas e na Junta das Avenidas Novas, em Lisboa.  “Nenhuma das empresas suspeitas de fazer contratos fictícios com a administração para proveitos próprios foi contratada pelo Município (incluindo o SIMAS de Oeiras e Amadora), durante o tempo no qual aqui exerci ou exerço funções”, prosseguiu Isaltino Morais, que diz ainda “não ter nada a ver com as perseguições internas do Partido Social Democrata”, recordando que deixou de ser militante deste partido em 2005.

Na mesma nota, o autarca sublinha que, em relação à contratação da mãe de Alexandre Poço, antigo candidato do PSD à Câmara de Oeiras, como secretária do gabinete daquele partido na mesma autarquia, “os gabinetes dos partidos escolhem nos serviços os funcionários que tenham vontade e disponibilidade para colaborarem (ou na falta destes, contratando)”.

“Não interferi na contratação da secretária do gabinete do PSD na CMO e nem sequer sabia, até ontem, que a senhora era mãe” de Alexandre Poço, atual Deputado à Assembleia da República, acrescentou Isaltino Morais, que pede ainda, “a bem do regime democrático e no respeito pelo bom nome e dignidade das pessoas, em geral, e dos titulares de cargos políticos, em particular, para que as autoridades de investigação e a imprensa tomem medidas que impeçam julgamentos na praça pública”.

Fotos: Arquivo OL





Quer comentar a notícia que leu?