MULHERES ENTRE RENOIR E AMADEU

0

«Mulheres. Entre Renoir e Amadeo» é o tema da exposição patente no Palácio Anjos – Centro de Arte Contemporânea, em Algés, constituída por obras criadas na viragem do século XIX para o século XX e têm como protagonista especial o rico e diversificado universo feminino

Uma exposição com obras de artistas como Renoir, Amadeo de Souza-Cardoso, Sorolla e Nonell, inspirada no universo feminino, abre hoje ao público, no Palácio Anjos – Centro de Arte Contemporânea, em Algés. Intitulada “Mulheres. Entre Renoir e Amadeo”, a exposição reúne obras pertencentes às coleções de arte da Fundação Fran Daurel e da Fundação Calouste Gulbenkian, e é organizada pela Câmara Municipal de Oeiras e a c2c Creación y Gestión de Proyectos Culturales.

Como refere Jorge Barreto, diretor municipal da cultura e comissário da candidatura Oeiras Capital da Cultura 2027, «esta é uma exposição de nível nacional que tem uma temática especifica: as mulheres vistas pelos olhos de artistas portugueses e espanhóis».

Assim, segundo explicou, «70 artistas estão representados na exposição», tendo sido efectuada uma seleção de obras de Renoir, Sorolla, Casas, Rusiñol, Nonell, entre outros, pertencentes à coleção da Fundação Fran Daurel, e de Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana, Francisco Franco, da Fundação Calouste Gulbenkian, e ainda de Santa Rita Pintor, proveniente de uma coleção particular, vai apresentar ao público o tema do feminino, um dos mais tratados pelos artistas ao longo da modernidade.

A maioria das obras de arte apresentadas na mostra – que tem curadoria de Helena Alonso – foram criadas em torno dos turbulentos anos que precedem e acompanham a viragem do século XIX para o século XX.

Na exposição, o público poderá ver como a mulher, mesmo de classes mais desfavorecidas, foi tratada como tema por artistas como Francisco Franco, Sorolla ou Ramón Casas, nomeadamente em nus, e nas várias formas de retrato.






«Entre as esferas em que se articulou o discurso desta exposição está a do trabalho, uma vez que o naturalismo do final do século XIX faz com que as mulheres sejam frequentemente representadas nessa perspetiva, passando pela esfera privada doméstica, à intelectual, bem como o desejo de ser igual a seus pares na aprendizagem e na prática da pintura ao ar livre», salienta Helena Alonso.

A exposição fornece também elementos para compreender, neste período da História da Arte, a intensa relação que alguns destacados pintores portugueses estabeleceram com artistas espanhóis em Paris, numa procura conjunta de conhecer e incorporar a Modernidade nas suas diferentes linguagens plásticas.

“Mulheres. Entre Renoir e Amadeo” estará patente ao público entre sexta-feira e 14 de fevereiro de 2021, de terça-feira a domingo, das 11:00 às 17:00, com entrada gratuita, limitada a 30 pessoas.

Escreva aqui o seu comentário...