MUSEU DO ORIENTE COM PROGRAMAÇÃO DEDICADA AO NOVO ANO CHINÊS

Entre os dias 7 de janeiro a 5 de fevereiro, o Museu do Oriente, em Alcântara, está a promover uma programação dedicada ao novo ano chinês, que em 2023 será dedicado ao Coelho.

Estas iniciativas são dirigidas a todas as idades e vão desde concertos, workshops, oficinas temáticas, entre outros. No passado domingo, dia 22 de janeiro, realizou-se o concerto ‘Festival da Primavera’, com a participação dos Lisbon Chamber Ensemble e da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Para o próximo sábado, dia 28 de janeiro, está marcada uma oficina dedicada à construção de papagaios de papel, destinada a crianças entre os sete e os 12 anos, e com o custo de cinco euros por pessoa. Ainda no mesmo dia, haverá ainda o workshop ‘Animais em Pop-Up’, para maiores de 14 anos, e com o custo de 50 euros por pessoa.

Já em fevereiro, no dia 4, sábado, destaque ainda para a oficina ‘Postal Pop-Up’, para crianças maiores de 7 anos e com o custo de 20 euros por sessão; e ainda o workshop ‘Feng Shui para 2023 – Ano do Coelho’. No dia seguinte, domingo, está marcada uma aula aberta de Tai Chi, para maiores de 16 anos e com o custo de seis euros por pessoa; e ainda a oficina ‘Lanternas Chinesas’, dedicada às famílias com crianças maiores de seis anos, e com o valor de 4,5 euros por participante.

O Ano Novo Chinês teve início no passado domingo, dia 22 de janeiro. Em 2023, o ano será dedicado ao Coelho, símbolo de paciência, longevidade e sorte, bem como de gentileza e serenidade. Segundo a tradição, o Coelho é um dos 12 animais que subiram ao palácio de Buda, em resposta ao chamamento do Imperador de Jade, e por isso, e para além do Coelho, cada ano chinês é dedicado a um dos seguintes animais: Rato, Búfalo, Tigre, Coelho, Dragão, Cobra, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão e o Porco.

São do signo Coelho, o quarto do zodíaco chinês, todas as pessoas nascidas em 1939, 1951, 1963, 1975, 1987, 1999, 2011 ou 2023. Este novo ano chinês sucede-se ao ano do Tigre e e encerra-se a 9 de fevereiro de 2024.

Quer comentar a notícia que leu?