O WOMEX REALIZA-SE EM LISBOA EM 2022 E PROMETE PROMOVER O PAÍS E A CIDADE

A 28ª edição do Womex: The Worldwide Music Expo foi apresentada na passada sexta-feira, dia 8, nas Carpintarias de São Lázaro. O Womex é considerado o mais importante evento internacional de Música do Mundo e vai ter lugar em Lisboa, de 19 a 23 de outubro.

Esta iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, do Turismo de Portugal e do Ministério da Cultura. Em 2021, realizou-se no Porto e agora segue para Lisboa. O Womex é apoiado pelo Turismo de Portugal, Ministério da Cultura e pela Câmara Municipal de Lisboa.

O evento vai contar com uma cerimónia de abertura, “única em cada país”, conforme salientou o diretor geral da AMG Music, organizadora do Womex, António Miguel Guimarães. De acordo com o mesmo, a edição de 2022 vai contar ainda com o palco Lusofónica Stage, onde irão atuar nove artistas portugueses e dos países de língua oficial portuguesa.

Na perspetiva de Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, esta iniciativa vai ajudar a promover o turismo português e mostrar “que Portugal não apenas palco de festivais de verão, mas também um país que é capaz de receber bem os estrangeiros”, respeitando as suas diferenças e culturas.

Ainda de acordo com Luís Araújo, o Womex, assim como outras iniciativas culturais, são importantes para reverter os efeitos que a pandemia provocou no turismo em Portugal. “Queremos voltar ao crescimento que estávamos a sentir antes de 2020, mas queremos crescer com a ajuda de âncoras, motivos e argumentos que nos mostrem que o país é capaz de juntar pessoas de todo o mundo e este festival mostra que tem essa capacidade”, explicou o presidente do Turismo de Portugal, acrescentando que os números do turismo no nosso país “estão acima do valor registado em 2019”.

Para Diogo Moura, vereador da Câmara Municipal de Lisboa com o pelouro da Cultura, o Womex “vai também contribuir para a imagem do país e da cidade”, e o autarca mostrou-se convicto de que a edição na capital “irá correr melhor do que a edição que teve lugar no Porto”, uma vez já não existem tantas restrições como as que existiam em 2021, devido à pandemia da Covid-19.





“O Womex é um evento com prestígio internacional, e a Câmara Municipal de Lisboa está a fazer tudo para que esta edição seja um sucesso”, destacou o vereador, agradecendo o trabalho da autarquia e ainda da EGEAC. Ainda na sua intervenção, Diogo Moura destacou ainda o programa da Câmara de Lisboa que tem como objetivo apoiar e promover os artistas estrangeiros e portugueses, criando ao mesmo tempo um intercâmbio entre eles.

Este programa, destacou ainda, vai ao encontro daquilo que o Womex promove e por isso, o vereador da Câmara de Lisboa não tem dúvidas de que esta edição irá ser um sucesso, e que terá um grande “impacto na cidade” após a sua realização.

Na apresentação do Womex, esteve ainda Américo Rodrigues, diretor-geral das Artes, em representação do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, que também reforçou a importância deste evento para divulgar a cultura portuguesa e também dos outros países, e que ajuda a transformar Portugal “numa referência no panorama musical”, mas também “numa montra privilegiada do talento e criatividade dos nossos músicos, mas também da nossa cultura e criatividade”.

A edição de 2022 do Womex vai ser financiada através do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, que atribuiu 180 mil euros à entidade organizadora do evento. Para o diretor do Womex, Alexander Walter, a edição deste ano do certame “será bem-sucedida”, uma vez que “nunca houve tantos artistas” no evento como irá haver em 2022. Contudo, o programa ainda não está fechado, mas para já, já estão confirmados 28 artistas, oriundos de todos os cantos do mundo. Estes artistas irão atuar em diversos palcos situados em vários pontos da cidade, entre os quais o Museu do Fado, o Capitólio, entre outros.

Na opinião de Alexander Walter, a presença do Lusofónica Stage é ainda “importante para divulgar a cultura lusófona e a diversidade cultural” dos países de língua oficial portuguesa, tais como Cabo Verde, Brasil, Angola, Guiné-Bissau ou Moçambique. Ainda de acordo com António Miguel Guimarães, “este festival é muito importante para a música e só está aqui graças ao trabalho de vários agentes”, e o mesmo aproveitou ainda a sua intervenção para agradecer a “todas as entidades envolvidas” na realização do Womex.

Quer comentar a notícia que leu?