OS IDILICOS JARDINS DA QUINTA REAL DE CAXIAS SÃO «ÓPTIMOS PARA NAMORAR»

0

Oeiras tem um novo espaço para namorar e dar passeios românticos com «o seu mais que tudo». Trata-se dos jardins da Quinta Real de Caxias, construídos no século XVIII, a mando da Casa do Infantado, e que estão ligados ao Mosteiro da Cartuxa. Hoje, a Câmara de Oeiras abriu as portas destes dois importantes monumentos à população.

Hoje, 26 de junho, o Mosteiro da Cartuxa e a Quinta Real de Caxias estiveram de portas abertas, ao longo do dia, à população do concelho de Oeiras para, segundo Isaltino Morais, presidente da Câmara Municipal de Oeiras, dar a «conhecer os trabalhos desenvolvidos pelo Município na recuperação deste valioso património histórico», que estava votado ao abandono e que, desde que a autarquia tomou posse do Mosteiro e da Quinta Real, tem estado a ser alvos de trabalhos «de reconstituição».

A Real Quinta de Caxias, desde hoje aberta ao público, atualmente considerada um dos elementos de maior interesse histórico e arquitetónico de Oeiras, é um “ótimo” exemplar dos gostos aristocratas dos séc. XVIII e XIX. A casa impressiona, mas foram os jardins “idílicos e inesquecíveis” que a população de Oeiras quis conhecer. Feitos ao gosto barroco da corte inspirada no estilo francês da época, os jardins são sofisticados, elegantes e planeados até ao mais ínfimo pormenor, tendo a sua grande estrela na cascata, com patamares dispostos em trono. Mas os lagos, os canteiros, o miradouro e os conjuntos escultóricos de Machado de Castro (agora substituídos por réplicas) contribuem também para a sensação de geometria absoluta neste jardim que foi buscar a sua inspiração a Versailles e que lhe mostra o entretenimento das cortes no séc. XVIII. Tranquilo e esplendoroso, é uma paragem obrigatória para passeios da zona de Oeiras.

Embora, como em tantos outros casos, os desígnios da sua história a tenham votado ao abandono e à utilização indevida durante décadas, o reconhecimento do seu valor como objeto patrimonial levou a Câmara de Oeiras a fazer renascer toda a sua linguagem e grandeza e, como salientou Isaltino Morais, no panorama da Arte dos Jardins em Portugal, o jardim do Paço Real da Caxias pode ser considerado como um exemplar único, não tanto pela sua organização espacial comum a muitos outros jardins, mas sim pelo valor arquitetónico, escultórico e alegórico do conjunto da cascata, miradouro e grupos escultóricos, valorizados pela esplanada que os canteiros de buxo definem, pelo que o jardim tem que ser entendido como um todo, organizado e interdependente.

Hoje, o presidente da Câmara de Oeiras foi o «guia» da visita guiada aos jardins desta propriedade da Casa do Infantado, mandada edificar na primeira metade do séc. XVIII pelo Infante D. Francisco, filho de D. Pedro II e D. Maria Sofia de Neuborg, prolongando-se a sua construção até ao início do séc. XIX, e que, agora, foi alvo de «obras de reconstituição», mandadas efetuar pela autarquia e que lhe estão a devolver o esplendor de «tempos passados».

Com esta visita aberta, que decorreu durante todos o dia, a Câmara pretendeu dar a conhecer os trabalhos desenvolvidos pelo Município para valorização e beleza do espaço, podendo encontrar-se, no Jardim dos Buchos, por exemplo, o maior espólio de esculturas de Machado de Castro, compostas por 24 réplicas.





A Quinta Real de Caxias, ou Jardim da Cascata, ou Jardins da Quinta Real de Caxias, é o principal parque de Caxias. Trata-se de um espaço de passeio criado em torno dos jardins do Paço Real de Caxias, sendo um exemplo das Quintas de Recreio que caracterizam Oeiras, e atualmente um dos elementos de maior interesse arquitetónico e histórico.

Isaltino Morais, que salientou que o Município de Oeiras vai investir cerca de 3 milhões de euros na sua recuperação, “defendeu” que este idílico espaço «é um dos locais de Oeiras mais agradável para se namorar e dar passeios românticos, ou em família».

Mosteiro da Cartuxa

O Mosteiro da Cartuxa que está ligado à Quinta Real por percursos pedonais e com toda a envolvente recuperada, também foi visitado pelos oeirenses. Na visita aberta ao Mosteiro da Cartuxa, entre as 10:00 e as 20:00, os cidadãos puderam verificar os trabalhos já desenvolvidos pelo Município neste monumento nacional, que é um dos dois conventos da Ordem dos Cartuxos no país, sendo o outro o Convento da Cartuxa de Évora.

O Mosteiro remonta a um primitivo templo erguido no vale da ribeira de Barcarena pelos frades da Ordem de São Bruno, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição e de São Bruno de Colónia. Em 1736 foi concluindo o atual templo, em local mais ermo que o anterior, coincidindo com a época em que também se começava a erguer a Quinta Real de Caxias.

Desde 1903 que acolhe o Instituto Padre António de Oliveira. Em 2012, serviu de cenário para algumas filmagens do filme Comboio Noturno Para Lisboa, com Jeremy Irons.

Em maio deste ano, o Município de Oeiras tomou posse do Mosteiro da Cartuxa, até então pertencente ao Ministério da Justiça, prevendo investir cerca de 7,5 milhões de euros naquele património abandonado há 30 anos.

Horários – Jardins

Verão: 9h ás 21 h

Inverno: 9h 18 h

Encerrados a 1 janeiro, domingo de Pascoa e 25 dezembro

Acesso: Estrada da Gibalta, 2760-064 Caxias

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here