UNIVERSIDADE DAS AV. NOVAS PARA A 3ª IDADE VAI TER NOVAS INSTALAÇÕES

A Universidade das Avenidas Novas para a Terceira Idade (Unanti) está a mudar de casa e vai ficar instalada num espaço na Avenida Defensores Chaves, que reúne as condições necessárias para acolher os seus 27 professores que ministram, a cerca de 300 alunos, disciplinas tão disparas como o teatro, francês, italiano, fotografia, pintura, artesanato, psicologia, história, música, ou Poesia Criativa.

As novas instalações da Universidade para a Terceira Idade, na Avenida Defensores Chaves, vão ser inauguradas em setembro. Segundo Hugo Sousa, assessor para a área de intervenção social da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, e a atriz Isabel Damatta, responsável pela disciplina de teatro e técnica destacada para acompanhar a Universidade, «não foi fácil encontrar o lugar certo», explicando que o conseguiram «porque a motivação é imensa».

Promover o envelhecimento ativo, combater a solidão, assim como a obtenção de novos conhecimentos e a partilha de saberes são alguns dos objetivos fulcrais da Universidade das Av. Novas, que pretende estabelecer canais de acesso e de proximidade com a população mais idosa da freguesia. Enfim, “fazer da terceira idade uma fase feliz da vida” é, na prática, a grande meta desta universidade sénior, porque, como salientam Hugo Sousa e Isabel Damatta, chegar à universidade, ter um curso e construir uma carreira profissional não é sonho só dos mais jovens. Os mais velhos também estão em busca de conhecimento e do convívio.

O prazer que advém de «ouvir as pessoas», de «conviver» e de «fazer amigos» também constitui um estímulo para frequentar este tipo de instituições, bem como a necessidade de alcançar o bem-estar, entendido como a satisfação das necessidades do ser humano e «o valor que cada pessoa atribui às coisas da vida», defendem, recordando que a Universidade das Avenidas Novas da Terceira Idade foi «bandeira» do atual presidente da Junta de Freguesia de Avenidas Novas, Daniel Gonçalves, durante o seu primeiro mandato (2013/2017) e que, de certa forma, foi interrompido pelo anterior executivo.

O Picoas Plaza foi o local escolhido inicialmente, em 2014, para acolher a Universidade para a Terceira Idade da Freguesia de Avenidas Novas – UNANTI, que conta hoje já com cerca de 300 alunos inscritos. No entanto, no segundo ano do mandato anterior, como revelam os nossos interlocutores, a Junta de Freguesia decidiu abandonar esse espaço, instalando a Universidade na sede da freguesia. Contudo, a alteração do espaço físico para dar aulas e, posteriormente a pandemia de Covid, com aulas on-line, levou ao «declínio» da Universidade. Nos nossos dias, com a nomeação de um novo executivo, a Junta de Freguesia está «a reativar este projeto que foi e é bandeira do atual presidente».

Segundo Hugo Sousa, o presidente sentiu «que tinha de fazer este investimento» nas atividades da Universidade, para que as «pessoas com mais de 55 anos (re)obtivessem esse bem-estar e a qualidade de vida no envelhecimento», num processo de troca, de dar para receber, evidenciando assim um processo de partilha e de apoio mútuos entre as atividades da universidade e aqueles que as frequentam.





A importância deste espaço, como destaca a atriz Isabel Damatta, pode-se resumir a algumas afirmações dos alunos: «Venho para aqui porque, no fundo, isto é a minha vida, preciso disto para viver, é um novo sentido que quis dar à minha vida e melhorar a sua qualidade».

Esta afirmação espelha um pouco a filosofia da Organização Mundial da Saúde, que define Envelhecimento Ativo como o processo de otimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança, para melhorar a qualidade de vida das pessoas que envelhecem. Pressupostos que definem também os propósitos da Junta de Freguesias das Avenidas Novas, que tem vindo a desenvolver uma série de projetos destinados ao público sénior.

Aliás e citando alguns estudos sobre esta matéria, Hugo Santos considera que a Universidade das Avenidas Novas «melhora a autoestima da pessoa, melhora o acolhimento da sociedade a essas pessoas, incentiva o convívio social, a questão da afetividade, a formação de rede e isso auxilia as pessoas a saírem do isolamento».

O isolamento de que falam Hugo Santos e Isabel Damatta é a solidão de alguns idosos, agravada agora pela pandemia do coronavírus, que obrigou este espaço a encerrar as aulas presenciais e a realizar as suas atividades através do on-line.

Após um período de paragem forçado, devido à pandemia, o início do próximo ano letivo vai ficar marcado como regresso às aulas presenciais na UNANTI – Universidade das Avenidas Novas para a Terceira Idade, que vão permitir o convívio salutar e útil entre os seniores, combater o isolamento social e proporcionar aos mais velhos a possibilidade de aprenderem ou ensinarem, promovendo a andragogia (arte e ciência de ajudar adultos a aprender – comunicação entre aluno e professor).

Como realçam, através da universidade sénior, a Junta de Freguesia pretende ter um papel cada vez mais ativo no contributo da participação da população sénior das Avenidas Novas na sociedade, promovendo a participação dos idosos enquanto cidadãos de pleno direito.

O preço da inscrição individual é de 90€ por ano. Os alunos podem inscrever-se em seis cadeiras anuais (práticas ou teóricas), escolhendo entre 37 cursos, que vão desde yoga, à história de arte, passando também pelas disciplinas linguísticas e pelo teatro.

Quer comentar a notícia que leu?