Uma das zonas mais nobres da cidade, onde o preço da habitação por metro quadrado bate recordes, as Avenidas Novas continuam a ser um destino de eleição para quem quer ter qualidade de vida. Mas há problemas por resolver.É a quarta freguesia mais cara de Lisboa. Quem lá mora diz que sempre foi um «mundo à parte», apesar de estar no centro da capital. Nas ruas largas das Avenidas Novas, o metro quadrado já custa mais de 3500 euros. Aumentou 40% num ano. Segundo números do Instituto Nacional de Estatística (INE), as casas das Avenidas Novas só perdem em valor para as do centro histórico. Santo António, Misericórdia e Santa Maria Maior compõem o pódio das freguesias mais caras de Lisboa. Mas as Avenidas estão na corrida pelos lugares da frente.

Hoje resta pouco terreno para construir na freguesia, mas, como já foi anunciado, vai nascer em Entrecampos, após a recuperação dos terrenos que eram da Feira Popular, um empreendimento de 700 casas a preços acessíveis.

Francesismo

Ex-libris de Lisboa na passagem para o século XX, as Avenidas Novas nasceram dos planos de extensão da cidade de Frederico Ressano Garcia ao estilo dos boulevards de Paris. Hoje, as Avenidas Novas são associadas também à mancha urbana que começa no Marquês de Pombal e se estende para Picoas, de um lado, e Bairro Azul, do outro, limites integrados na nova Junta de Freguesia das Avenidas Novas, que tem espaços verdes que vão desde o Parque Eduardo VII ao jardim da Fundação Gulbenkian, a outros mais pequenos como o jardim Amélia Carvalheira. .

Poluição

Apesar de ser conhecida pela qualidade de vida, existem também aqui alguns problemas, que são queixas comuns dos habitantes. A começar pela falta de estacionamento suficiente para os moradores, uma queixa já antiga, mas que ainda não se encontra totalmente resolvida.

Mas nem todo este espaço verde é suficiente para atenuar o efeito da poluição que se sente no ar, com o intenso tráfego automóvel que existe nas principais artérias da freguesia.

Um problema que pode causar problemas de saúde, principalmente a nível respiratório.  Uma queixa que a moradora Isabel Pacheco bem ilustra: “as pessoas que sofrem de problemas respiratórios é mais complicado noto diferença na respiração”.

Oferta cultural da Fundação Gulbenkian

Apesar de ser uma zona com muita oferta comercial e também cultural, como a Fundação Gulbenkian, há quem entenda que falta um pouco de animação de rua, para atrair mais visitantes, como a que se verifica na zona da Baixa, como refere João Vieira: “falta na freguesia mais comércio, mais animação de rua”.

João Vieira, de 33 anos, empregado de balcão e mesas e morador Rua Elias Garcia, conhece bem as Avenidas Novas, um local onde trabalha há muito tempo na área da restauração. Para ele, a oferta na restauração é um dos pontos fortes da freguesia: “As Avenidas Novas estão cheias de restaurantes e pastelarias”, afiança.

Mas, do ponto de vista deste morador, o que também contribui para uma grande qualidade de vida dos seus moradores prende-se com a oferta cultural proporcionada pela Fundação Calouste Gulbenkian, que fica a escassa distância do seu local de trabalho, “com a sua oferta cultural, com os seus concertos e o jardim”.

Contudo, no entender de João Vieira “falta na freguesia mais comércio, mais animação de rua, como se faz na Baixa”.

Novas dinâmicas

Já para Maria Alves, de 68 anos, comerciante e moradora na Avenida Miguel Bombarda, não há defeitos a apontar nas Avenidas Novas, realçando a “bondade dos habitantes”. Esta é um as razões que, no seu entender, fazem com que “as pessoas venham para aqui viver, gostarem da zona”.

“A construção de prédios novos está a trazer novos moradores para aqui”, constata Maria Alves, imprimindo um novo dinamismo à zona e também é uma mais-valia para o comércio.

Do ponto de vista de Maria Isabel Pacheco, de 78 anos, reformada e a viver na Avenida Conde Valbom, “o bairro tem uma qualidade que é o contacto com as pessoas, passado a ser tratados como conhecidos”, é uma das qualidades que mais atraiu Isabel Pacheco.

Mas, entre outras qualidades, destaca também “a oferta cultural da Gulbenkian e tem um parque belíssimo para se estar. Mas não só. Tem as Galveias, há os cinemas, restaurantes, supermercados”.

Há algo que a encanta em particular: “Ao fim-de-semana parece a minha Lisboa de infância. Esvazia-se e só estão as pessoas que aqui moram ou que passeiam”.

Melhorar transportes e arranjar passeios

Mas nem tudo é um mar de rosas. Por exemplo, esta moradora refere que as “ruas e o calcetamento das ruas, provocam acidentes às pessoas que aqui andam. Eu própria já cai, vou a andar não olhava para o chão e caia nos buracos” dos passeios. “Melhorou um pouco, mas isto também é o problema dos países das árvores. O habitante da cidade tem um comportamento muito curioso com a vegetação. Adora árvores, mas, depois, a árvore é um incómodo permanente. Porque deita raízes e altera passeios”.

Para esta moradora a poluição também é um problema grave para a saúde dos habitantes, pois “as pessoas que sofrem de problemas respiratórios é mais complicado noto diferença na respiração”.

Maria Odete, de 67 anos, reformada, da Avenida de Berna, aponta a “falta de limpeza nas ruas”, criticando, principalmente, “o lixo nas traseiras do sítio onde mora”, onde – segundo ela – “há muito pouco comércio e faz muita falta”.

O executivo da junta de freguesia não foge às críticas destes moradores, “pois há muita coisa que está mal”. E exemplifica: “Recebo 280 euros de reforma e nunca recebi qualquer apoio da junta de freguesia para os meus tratamentos. Tenho que gastar muito dinheiro em diversos tratamentos de saúde e nunca me ajudaram em nada, apesar de ter pedido ajuda”, acusa esta habitante. “Se não fosse o meu filho ajudar-me não sei como conseguiria viver”.

Também a falta de transportes públicos no seu bairro é um problema, pois “só tenho autocarro de hora a hora”.

Temos tudo…

Quando se mudou para as Avenidas Novas, há mais de 40 anos Manuela Queirós, reformado e moradora na Av. 5 de Outubro, encontrou um local onde tem tudo o que precisa para o seu dia a dia. Seja oferta de comércio ou oferta cultural, esta moradora, de 72 anos, considera que “o bairro dispõe de todas as condições para se viver bem”.

Na zona onde vive “é um sítio sossegado, com pouco trânsito e espaços verdes” que frequenta com frequência.

Critica “o excessivo ruído provocado pelo trânsito nas principais ruas e a poluição excessiva” para quem mora e trabalha na zona. Também alguma falta de limpeza urbana nas ruas a deixa preocupada, “mas isso tem mais a ver com a falar de civismo das pessoas”.

AVENIDAS NOVAS QUER RESOLVER ESTACIONAMENTO

A Junta de Freguesia das Avenidas Novas, em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, está a trabalhar para resolver o problema do estacionamento da freguesia, afirma a presidente da junta, Ana Gaspar.

Em resposta a Olhares de Lisboa, a presidente da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, Ana Gaspar, salienta a atividade cultural que está a ser desenvolvido na freguesia, dando como exemplo a criação de várias feiras, com periodicidade sindical, nas Avenidas Novas.

Por outro lado, uma das preocupações de Ana Gaspar prende-se com a falta de estacionamento, considerando que é necessário criar mais zonas de parqueamento.

Olhares de Lisboa – A falta de estacionamento na freguesia é um problema crónico, segundo os habitantes. A junta de freguesia tomou algumas medidas para resolver esta situação?

Ana Gaspar – A Junta de Freguesia de Avenidas Novas, tem vindo a trabalhar em estreita colaboração com a Direção Municipal de Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, a qual tem a responsabilidade dessa matéria.

Mas, a falta de estacionamento resulta não só de termos uma das freguesias com uma elevada taxa de hotelaria, como também do próprio movimento que se gera na cidade e nas freguesias que são mais centrais.

Como todos temos o selo da EMEL, é normal pensar-se que todos temos direito a um lugar de estacionamento à superfície. Há grandes parques nas avenidas que estão vazios e quem não tem garagem nos prédios, pode utilizá-los. Temos de encontrar uma forma dos que regressam ao fim da tarde não se vejam sistematicamente impedidos de estacionar.

OL – Os moradores queixam-se também dos buracos nos passeios, que já provocaram acidentes a vários peões. A junta de freguesia tem procurado resolver este problema?

AG – Sim, temos em permanência no terreno uma equipa – Brigada de Intervenção Rápida (BIR) – que está muito atenta à resolução desse problema. Sempre que nos reportam alguma situação, o prazo de resposta da BIR é, por norma, inferior a 24 horas.

OL – Quem mora em zonas mais afastadas do centro da freguesia queixam-se da falta de transportes públicos. A junta de freguesia tem conhecimento desta situação e fez alguma diligência para o resolver?

AG – Muito estranhamos essa questão, pois a Freguesia de Avenidas Novas, é uma zona bem servida ao nível de transportes públicos.

Esta freguesia é das mais bem servidas por todos os meios de transporte, desde o metropolitano aos autocarros e o comboio.

OL – Quais são as políticas de apoio à população idosa?

AG – No gabinete jurídico temos apoiado as situações de despejo. Temos também a Academia Sénior, que está situada na junta de freguesia, em que há um conjunto de disciplinas desde o exercício físico até outras disciplinas. Acreditamos que a mente se desenvolve sempre.

Temos agora, em colaboração com a câmara municipal e a Santa Casa de Misericórdia, um projeto radar em que se vai fazer inquéritos à população sénior, de modo a detetar situações de solidão. Depois vai fazer-se o cruzamento com mapas anteriores da cidade e ver como podemos ajudar estas pessoas.

OL – Quais são principais planos da junta de freguesia, no âmbito das suas competências, até ao final do mandato?

AG – Temos uma preocupação constante que é a situação da higiene urbana e, por outro lado, a questão do espaço público. Em relação à higiene urbana, apostamos em aumentar o número de funcionários e internalizar os serviços, tendo em conta o mercado de desemprego, é bom fazer contratos com as pessoas. Vamos também comprar várias máquinas, porque a freguesia é muito extensa, com muito turismo e alojamento local, que originam um enorme volume de resíduos.

No espaço público verificamos, quando entramos, que havia uma série de ilhas de buracos da calçada. A calçada portuguesa é perigosa, apesar de fazer parte do nosso património. Nós temos instado a câmara a fazer zonas de piso confortável. Não é por acaso que as ciclovias são tão apetecíveis para os peões.

Por outro lado, vamos também apostar nos parques e jardins da freguesia.

OL – Apesar da oferta cultural, os moradores querem mais animação de rua para atrair mais visitantes à freguesia. Esta possibilidade está a ser equacionada pela junta de freguesia?

AG – Sim, temos vindo a trabalhar nesse sentido Por exemplo, já existe mais uma feira nas Avenidas Novas com periodicidade quinzenal, concretamente a Feira d’Ávila, que decore na Avenida Duque d’Ávila.

OL – Que atividades culturais e de lazer vão ocorrer na freguesia até ao final do ano?

AG – Destacaremos as feiras/mercadinhos e as exposições culturais.

About The Author

Related Posts

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.