OEIRAS INVESTE NA 1ª FASE DE VACINAÇÃO E NA SAÚDE DE JOVENS E IDOSOS

0

Mais de 350 mil euros foram investidos por Oeiras na primeira fase de vacinação contra a COVID. Paralelamente, a autarquia atribuiu um subsídio para a promoção de Programas de Saúde em Meio Escolar. Por outro lado, para garantir a «saúde e o conforto» dos mais velhos, o executivo liderado por Isaltino Morais criou um subsídio para o aquecimento de 1300 idosos.

A Câmara Municipal de Oeiras já investiu mais de 350 mil euros nesta primeira fase de vacinação contra a COVID 19, designadamente na disponibilização de um Centro de Vacinação para a população, na contratação de enfermeiros para administração de vacinas, cedência de transporte para as equipas de vacinação e apoio logístico e de material, tendo o Município assegurado ainda o transporte gratuito, através de táxi, aos munícipes para o Centro de Vacinação, entre outros.

Em Oeiras, o processo de vacinação arrancou, a 21 de janeiro, nas estruturas residenciais para pessoas Idosas (ERPI), Lares Residenciais (LR) e Unidades de Cuidados Integrados (UCCI)), tendo já recebido as duas doses da vacina 2.950 idosos e profissionais de 43 estruturas residenciais do concelho.

Mas, de modo a garantir que todos os idosos residentes e colaboradores daqueles equipamentos fossem vacinados, numa operação rápida e eficaz, a Câmara Municipal de Oeiras contratou 16 enfermeiros para reforçar a equipa de vacinação do Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras (ACES LOO). Paralelamente, a autarquia também garantiu o apoio logístico do processo do Plano de Vacinação COVID 19, nomeadamente através da cedência de viaturas com motorista para transporte das equipas do ACES LOO, da disponibilização de 4 Ambulâncias medicalizadas de prevenção e de Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

A vacinação à restante população iniciou-se no dia 10 de fevereiro, no Centro de Vacinação COVID19 disponibilizado pela autarquia no Parque Desportivo Carlos Queiroz, em Carnaxide., onde estão, atualmente, em funcionamento 6 postos de vacinação, apesar de esta estrutura ter capacidade para 12 postos em simultâneo (o dobro do que havia sido solicitado pelas autoridades de saúde). Ou seja, se este equipamento funcionasse em pleno haveria a possibilidade de vacinar mais de 1500 pessoas por dia. Também neste Centro a equipa do ACES foi reforçada, tendo o Município garantido a contratação de 7 enfermeiros. Neste âmbito, entre os dias 10 e 26 de fevereiro foram administradas 3.364 vacinas. No primeiro dia de vacinação (10 de fevereiro) foram administradas 100 doses, número que tem vindo a aumentar de dia para dia. Na semana de 22 a 26 de fevereiro foram vacinadas uma média de 400 pessoas por dia.

A criação deste Centro de Vacinação, que visa apoiar o Serviço Nacional de Saúde, consistiu num investimento municipal de 250 mil euros. Em contratação de enfermeiros, a Câmara já investiu um total de cerca de 54 mil euros.

Relativamente às forças de segurança, das sete Corporações de Bombeiros do concelho de Oeiras já foram vacinados com as duas doses 14 profissionais e com a primeira, 221. Durante o mês de fevereiro, foi administrada a 1.ª dose da Vacina a 261 Agentes da Polícia de Segurança Públia (PSP).

O apoio à vacinação é mais uma medida do Município de Oeiras, que desde o início da pandemia tem diligenciado no sentido de garantir uma atuação local que previna e minimize os efeitos da COVID 19, nomeadamente, através do apoio às entidades de saúde que garantem, no território, um importante suporte à população.

Em 2020, o Município de Oeiras investiu na área da Saúde Pública 4.079.244,09 euros. Este investimento incluiu a aquisição e doação de material e equipamento às instituições de saúde (35 Ventiladores: 511.980 euros; 60 Seringas e 30 bombas: 121.770 euros; 2400 Peças de vestuário hospitalar: 26.408 euros; 140 óculos de proteção 1.678,95 euros), a aquisição de testes COVID (564.363 euros) para testagem quer de profissionais municipais (1ª linha), quer para forças de segurança e socorro e outros profissionais de respostas sociais (10.000 testes COVID – 184.500 euros; Máquina CPR – 7.380 euros; Luvas de latex e Zaragatoa – 43.050 euros; Protocolo com ITQB para análise das amostras recolhidas – 230.000 euros; Equipamentos Testes Rápidos COVID – 59.578 euros; e, Testes COVID PCR – 39.855 euros).

Ainda no âmbito da Saúde Pública, a Câmara de Oeiras procedeu à distribuição gratuita de máscaras à população. Foram distribuídos 1.5 milhões de máscaras, em 32 pontos de distribuição, o que consistiu num investimento de 665 mil euros. Além do mais, a autarquia também, disponibilizou EPI às entidades sociais e de saúde locais (Luvas, álcool, máscaras, fatos impermeáveis e viseiras – para 157 entidades da Rede Solidária e da Rede Lucrativa) e procedeu à monitorização de lares, centros de alojamento e outras estruturas residenciais, assim como equipamentos de infância, prestando também apoio à limpeza e nebulização de equipamentos com respostas sociais.

Saúde em meio escolar

Por outro lado, e ainda no domínio dos programas de saúde em meio escolar, o Município de Oeiras vai atribuir uma comparticipação financeira à Associação Prevenir, no valor total de 21.975 euros (vinte e um mil novecentos e setenta e cinco euros), destinado ao acompanhamento ao Programa “Nino e Nina: Programa de Competências”, “Programa Crescer a Brincar” e “Programa Eu passo…” no ano letivo 2020/2021.

A Associação Prevenir é uma ONG que tem por missão o desenvolvimento de programas longitudinais de Prevenção e Promoção da Saúde, assentes na formação certificada dos professores, com o objetivo de os capacitar para intervir com os alunos na promoção das competências interpessoais, permitindo-lhes gerir os riscos associados a determinados comportamentos, nomeadamente à violência, bullying, e abandono escolar.

Esta  Associação promotora tem os programas adaptados às circunstâncias atuais, designadamente Formação de professores ministrada on-line, via skype, pela Associação; Acompanhamento das atividades implementadas pelos professores no âmbito dos projetos; Criação de um grupo fechado do Facebook, para cada sala de pré-escolar, para lançar desafios às famílias e ajudá-las a realizar pequenas tarefas com as crianças que ajudem a ocupar-lhes o tempo e a aliviar a tensão e ansiedade de estar sempre em casa.

No 1.º ciclo as crianças executam as atividades dos manuais do Crescer a Brincar nas aulas ou em casa, com orientação dos professores, à semelhança do que fazem noutras disciplinas (português, matemática, inglês e estudo do meio). Estas atividades são mais lúdicas permitem descomprimir e criar espaços de partilha e gestão das emoções em família.

No 2.º ciclo, através dos manuais do Programa Eu passo, é dada continuidade à intervenção abordando temáticas como a gestão emocional, a tomada de decisão, a pressão de pares, a educação sexual e a prevenção do consumo de drogas

Estes três programas adaptaram-se a esta nova realidade, e reforçaram a sua importância pois estão a apoiar pais e crianças/jovens a gerir as emoções provocadas por esta pandemia, promovendo a saúde mental dos mais novos.

Garantido aquecimento de 1300 idosos

Entretanto, também a pensar na saúde e no conforto dos mais idosos, a autarquia de Oeiras decidiu atribuir uma verba de 200 mil euros para garantir o aquecimento de cerca de 1300 pessoas, dando assim seguimento à medida apresentada no início deste ano (em vigor entre janeiro e março), que garante a disponibilização de 150 euros a cada idoso do concelho (portador do cartão 65+), para ajudar a pagar o consumo de aquecimento.

Desta forma, numa altura de confinamento, em que os idosos estão ou devem estar em casa, muitos deles isolados, o Município decidiu ajudar a pagar o consumo de aquecimento, para que nenhum passe frio. Até à data foram instruídos cerca de 1.300 processos de apoio, de um total de 2.000 possíveis beneficiários, o que se reverterá num investimento total na ordem dos 300 mil euros.

Esta comparticipação financeira, destinada a custear as despesas de eletricidade e gás dos idosos, garante a capacidade financeira das entidades parceiras para dar resposta às situações de vulnerabilidade social, enquadradas no âmbito do Fundo de Emergência Social (FES), nomeadamente: Centro Social Paroquial Cristo Rei de Algés, Centro Social e Paroquial de Barcarena, APOIO – Centro de Solidariedade Social, Centro Social Paroquial São Romão de Carnaxide, Centro Social Paroquial Senhor Jesus dos Aflitos, Centro Social Paroquial Nossa Senhora do Cabo, Centro Social e Paroquial São Julião da Barra, Núcleo de Instrução e Beneficência, Centro Social e Paroquial Nossa Senhora de Porto Salvo e Centro Social Paroquial São Miguel de Queijas.

Foto: arquivo

Quer comentar a notícia que leu?