PRESIDENTE DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE VISITOU OEIRAS E PEDE INVESTIMENTO PORTUGUÊS

O Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, em visita oficial a Portugal, esteve hoje no concelho de Oeiras para cimentar as relações de cooperação existentes entre o município e a República Democrática de S. Tomé e Príncipe, tendo sido agraciado com a medalha de mérito municipal, grau de ouro, da Câmara de Oeiras.

Na sua primeira visita ao estrangeiro enquanto chefe de Estado, o Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, deslocou-se ao concelho de Oeiras para expressar «os sentimentos de amizade e solidariedade do povo timorense para com o povo irmão de Portugal, nomeadamente com o de Oeiras».

Carlos Vila Novas, que está em visita oficial a Portugal para melhorar a cooperação bilateral, pediu a Isaltino Morais, presidente da Câmara Municipal de Oeiras, que, em honra das relações de cooperação descentralizada estabelecidas entre o Município e a República de São Tomé e Príncipe, auxilie o seu país na captação de investimento estrangeiro, nomeadamente no setor do turismo.

O máximo representante do Estado são-tomense, foi extremamente claro: «São Tomé e Príncipe está aberto ao investimento português. As nossas potencialidades são muitas, principalmente no turismo na Região Autónoma do Príncipe, onde estamos a recuperar as antigas roças de café e cacau para alojamento turístico».

«O futuro será feito em conjunto. Nós somos amigos e caminheiros da mesma jornada. Juntos, São Tomé e Príncipe e Oeiras, vamos construir o futuro, porque as relações que nos unem são culturais e de consanguinidade», salientou o Presidente de São Tomé e Príncipe que aproveitou esta visita de cortesia ao concelho de Oeiras, na qual foi recebido pelo presidente da Câmara Municipal de Oeiras nos Paços do Concelho, para fortalecer a cooperação bilateral entre São Tomé e Oeiras, designadamente «com a Região Autónoma do Príncipe», onde como realçou Isaltino Morais, existem em perspetiva vários projetos a cumprir, a saber: «construção do primeiro Liceu no Príncipe, cujo projeto está já concluído; atribuição de 8 bolsas de estudo universitárias no próximo ano letivo; envio de ambulância todo o terreno; envio de equipamentos para 30 salas de aula e melhoramentos no parque infantil; e oferta de fardamento e equipamentos aos operários do Governo Regional».

Por seu turno, Isaltino Morais salientou que «se Portugal influenciou a história dos novos Países de língua portuguesa, também estes influenciaram a história de Portugal», realçando que Oeiras escolheu «olhar para o passado, remoto ou recente, como a oportunidade de estabelecimento dos laços de fraternidade que hoje nos unem e que fazem de nós família».





Assim, «se somos família, temos deveres especiais uns para com os outros. O dever de ouvir, o dever de compreender e o dever de estar presente, sempre», sublinhou o autarca, recordando que no «caso da República Democrática de São Tome e Príncipe, mantemos, desde a década de ´1990 do século passado, intensas relações de geminação que, diga-se, têm dado frutos extraordinários para a população daquela região autónoma».

Essa cooperação, como defendeu Isaltino Morais, já tem dados frutos, elencando um conjunto vasto de ações de cooperação com o Príncipe, nomeadamente: «reabilitação do Edifício dos Paços do Concelho, Sede do Governo Regional; construção do Centro Cultural do Príncipe; eletrificação das zonas Norte e Sul da Ilha; construção do Planetário no Espaço Ciência Sundy; distribuição de 1200 pares de ténis para as crianças; construção do primeiro Parque Infantil; atribuição de bolsas de estudos universitárias a vários alunos; projeto de segurança e sustentabilidade alimentar para reforço da produção agro-pecuária local, com criação de 200 galinheiros; e oferta de material hospitalar diverso e equipamento para a morgue».

Em relação de geminação entre Oeiras e o Príncipe, que «decorre quer da vontade conjunta de fazer, quer da capacidade de realização do Governo Regional», Isaltino Morais afirmou: «No fundo, o Príncipe tem sabido fazer o que Oeiras fez: definiu uma estratégia, aprovou os seus planos de desenvolvimento e seguiu acreditando e trabalhando. Passámos de subúrbio deprimido da capital a uma nova centralidade. Soubemos afirmar o nosso modelo de desenvolvimento. É assim que vejo o trabalho realizado pela governação do Príncipe».

Isaltino Morais, aproveitando a oportunidade da presença do Presidente são-tomense em Oeiras, que «olha para nós, como nós, portugueses, olhamos para o Povo são-tomense», agraciou Carlos Vila Nova com a medalha de mérito municipal grau ouro, «simbolizando nela, o respeito e amizade que nutrimos pelo Povo de São Tomé», sublinhou o autarca.

Em Oeiras, o Presidente são-tomense visitou ainda o Taguspark – Cidade do Conhecimento, parque de referência em Ciência e Tecnologia, e o emblemático Parque dos Poetas, com passagem especial pela escultura feita em memória da poetisa são-tomense Alda do Espírito Santo, que ocupou vários cargos importantes na República Democrática de São Tomé e Príncipe, após a independência

Quer comentar a notícia que leu?