Duzentas empresas lisboetas assinaram um compromisso ambiental com a Câmara de Lisboa com ações concretas a aplicar por cada empresa. Para simbolizar o momento, a autarquia anunciou a construção do «mural do compromisso».As duzentas maiores empresas lisboetas assinaram um protocolo com a Câmara Municipal de Lisboa, comprometendo-se a tomar medidas «amigas do ambiente», inseridas no âmbito de Capital Verde Europeia. Na ocasião, foi apresentado o Mural do Compromisso, uma peça em construção que simboliza a união da cidade no caminho da sustentabilidade.

«Lisboa lançou o desafio às empresas, escolas e organizações públicas e privadas, para aderir ao Compromisso Lisboa Capital Verde Europeia 2020 – Ação Climática 2030 e contribuir para a ambiciosa agenda de metas ambientais da cidade para a próxima década», referiu o vereador do ambiente, José Sá Fernandes, salientando que as primeiras 200 organizações (privadas e públicas) que aderiram já apresentaram todas as medidas que vão «tomar em defesa do meio ambiente».

Sá Fernandes, que fez questão de assinalar o valor simbólico do espaço onde foi assinado este «compromisso» na Rua Cardeal Saraiva, junto ao Jardim da Amnistia Internacional, os seus compromissos na presença do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, defendeu a necessidade «de remarmos todos no mesmo sentido» no combate às alterações climáticas.

A aposta na instalação de iluminação ajustada e LED e na energia solar é uma das medidas comuns que algumas das 200 empresas que assinaram o protocolo de compromisso ambiental se propõem assumir. Existindo outras organizações que equacionam a inclusão de arvoredo nas envolventes dos edifícios.

A promoção de veículos elétricos em frotas de uso privado e operacional é acolhida por várias empresas, tal como o fornecimento aos colaboradores de minutos de uso mensal numa solução de mobilidade partilhada. Em alguns casos, até, um passe de transporte coletivo mensal gratuito para os colaboradores pode também tornar-se uma realidade. A diminuição da produção de resíduos e o aumento de ano para ano na sua percentagem de reciclagem juntam-se à implementação de soluções para a reutilização de águas e também à vontade de erradicar o uso de plásticos de utilização única. Estes são alguns exemplos de entre as 2100 medidas totais, contabilizadas pela câmara, que as organizações assinantes se comprometem a aplicar.

Um a um, os representantes de mais de 200 organizações subiram ao palco instalado no pavilhão polidesportivo de Campolide e assinaram o Compromisso Lisboa Capital Verde Europeia 2020 – Acão Climática Lisboa 2030.

Nas palavras de José Sá Fernandes, o vereador do Ambiente da câmara de Lisboa, um compromisso «significa prometer em conjunto». Desta forma, os signatários comprometem-se a levar a cabo várias medidas de ação climática para a próxima década – escolhidas previamente por cada empresa – que se inserem em diversas áreas de intervenção como a energia, a mobilidade, a água, a qualidade do ar e do ruído até à economia circular e a cidadania e participação.

Por seu turno Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, sublinhou não se tratar de um ato protocolar, mas sim de «um compromisso de ações concretas».

Segundo Fernando Medina, os números da adesão e das medidas propostas demonstram «uma comunidade inteira a mobilizar-se para uma ação completa», reforçando a afirmação do vereador Sá Fernandes: «Precisamos de todos».

No âmbito da distinção como Capital Verde Europeia 2020, Lisboa definiu uma ambiciosa agenda pela sustentabilidade. Os objetivos principais assentam na redução de 60% das emissões de CO2 até 2030, na resiliência efetiva às alterações climáticas e ainda no atingir da neutralidade carbónica até 2050.

Sobre a urgência em tomar medidas, o presidente da câmara afirmou que «é a nossa obrigação moral com as novas gerações». Por outro lado, o autarca admitiu que «só podemos exigir ação aos outros se fizermos a nossa parte e estamos a fazê-la», acrescentou.

Na sequência, a Câmara Municipal de Lisboa lançou o desafio à cidade, mais concretamente às escolas, empresas, associações e instituições públicas e privadas, de maneira a oferecerem o seu contributo para as metas ambientais estabelecidas. Uma participação iniciada com a assinatura do Compromisso Lisboa Capital Verde Europeia 2020 – Ação Climática Lisboa 2030.

Assinado o documento, para assinalar o momento, a autarquia anunciou a construção do «mural do compromisso». Na peça, com azulejos da fábrica «Viúva Lamego», constarão os vários logótipos de todas as organizações e empresas que subscreveram o compromisso.

Conheça quais as empresas que já assinaram o Compromisso Lisboa Capital Verde 2020 — Ação Climática Lisboa 2030