AUMENTO DOS PREÇOS DOS PRODUTOS AFETOU O TRABALHO DA MARCHA DO CASTELO

O projeto para a Marcha do Castelo foi pensado em 2020, ano em que as Marchas Populares foram canceladas devido à pandemia. Em 2022, a organização pegou no projeto e começou a construir os adereços. 

Para tal, houve a necessidade de comprar algumas coisas e o aumento do custo dos produtos dificultou a escolha. “O nosso maior esforço foi ajustar as nossas necessidades ao que havia no mercado, havia muitas coisas esgotadas, para além do facto que as coisas aumentaram de preço”, explica uma das responsáveis da Marcha do Castelo, Tânia Correia, ao Olhares de Lisboa, acrescentando que “houve muitas coisas que tivemos de adaptar, porque está tudo mais caro e nós, como sabe, temos um orçamento fixo para a realização das Marchas Populares”.

A Marcha do Castelo é organizada por uma comissão constituída por nove pessoas, que para além de Tânia Correia, é ainda composta por Carla Dourado, Rui Felismino, Rui Lopes, Tânia Rodrigues, Alice Palmela, Ricardo Palmela, Alexandre Ribeiro e José Ferrão.

No entanto, e apesar deste contratempo, os ensaios da Marcha do Castelo estão a correr bem. Segundo Tânia Correia, os dois anos de pausa forçada não afetaram o trabalho da Marcha do Castelo, porque “o trabalho já estava todo projetado em 2020 e agora foi apenas recuperá-lo”.

Os ensaios da Marcha do Castelo começaram em abril e decorrem de segunda a sexta-feira no Polidesportivo da Verbena, na freguesia de Santa Maria Maior. No dia 3 de junho, apresentam-se na Altice Arena, nove dias antes do desfile na Avenida da Liberdade, que acontece na noite de 12 para 13 de junho.

Em relação à pandemia, “no início pedíamos máscara, agora, como ensaiamos no exterior, já não a pedimos”, explica a responsável pela Marcha do Castelo, acrescentando que, devido ao aumento dos casos de Covid-19, está-se a ponderar regressar ao uso de máscara nos ensaios, e todos os marchantes desinfetam as mãos antes dos mesmos.

Para já, assegura ainda Tânia Correia, estão a ser seguidas as normas da Direção Geral da Saúde (DGS), mas a organização da Marcha do Castelo já entrou em contacto com a EGEAC para saber quais as diretivas para o caso de algum marchante testar positivo à Covid-19.

“Nós só temos um par de suplentes, nem queremos criar um risco de saúde pública, porque vamos estar em contacto com centenas de pessoas e não queremos ter pessoas que possam estar infetadas”, prossegue a responsável, que faz questão de reforçar aos marchantes os cuidados e os procedimentos a ter em conta para evitar de apanhar o vírus.

A Marcha do Castelo tem 50 marchantes (48 efetivos e dois suplentes) e segundo a responsável, não foi complicado conseguir marchantes, embora na sua opinião, “seja cada vez mais difícil, porque há cada vez mais pessoas a viver fora de Lisboa, ao que acresce o custo das deslocações, mais o trabalho”.

Na zona do Castelo, “50% das casas é alojamento local”, o que leva a que a marcha tenha poucos marchantes do Castelo. Ainda na perspetiva de Tânia Correia, a exploração do turismo na zona acaba por “prejudicar o associativismo, as coletividades, e no fundo, tudo aquilo que é o trabalho das Marchas Populares”.


Ainda de acordo com a responsável, a pandemia também afastou alguns marchantes. Em 2022, os padrinhos da Marcha do Castelo serão o casal de humoristas Joana Machado Madeira e o marido, Eduardo Madeira, que “ficaram muito entusiasmados com o convite e até fazem questão de vir aos ensaios”, como acrescentou Tânia Correia.

Já os ensaiadores são novamente o casal Bruno Barros e Sofia Barros; e Fauze El Kadre é o figurinista da marcha. Carlos Dionísio é o autor das músicas. Letícia Felismino, de cinco anos, e Rui Diogo, com quatro anos, serão as mascotes da Marcha do Castelo.

Os pais, quer de Letícia como de Rui, são marchantes e vão marchar na edição de 2022. “Os dois vão aos ensaios com os pais, estão muito entusiasmados com a marcha e adoram vir ensaiar. A Letícia e o Rui aprenderam as músicas muito rapidamente e até cantam as músicas no colégio para os amigos”, conta a responsável da Marcha do Castelo.

A maioria dos marchantes da Marcha do Castelo está na casa dos 27/28 anos, que vão partilhando experiências com os mais marchantes mais velhos, que têm idades a rondar os 50 anos. No entanto, e de acordo com Tânia Correia, “vai haver alguns estreantes em 2022, uma delas é uma miúda com 15 anos e que vai agora pela primeira vez; e o segundo caso é um caso muito particular, que é um rapaz de 18 anos, o Rodrigo Fonseca, que foi mascote durante muitos anos e tinha o sonho de ir na marcha e agora vai ser marchante pela primeira vez”, conta a responsável.

Segundo Tânia Correia, a maioria dos marchantes entram na Marcha do Castelo por influência dos pais. Contudo, “há outros que entram porque veem a publicação no Facebook e querem experimentar, outros que vêm pela tradição”.

Segundo a responsável, não existem critérios para entrar na Marcha do Castelo, “porque aqui tudo se ensina, nós ensaiamos todas as vertentes, desde o canto, a dança, entre outros. Acho que se as pessoas gostarem acabam sempre por aprender”, conta Tânia Correia, que acrescenta que a “Marcha do Castelo é um grupo muito coeso e muito unido, onde há muito apoio entre todos”.

NR: Artigo atualizado a 23 de maio de 2022

Visite a loja: https://olharesdelisboa.pt/produto/castelo-2019/

Quer comentar a notícia que leu?