CÂMARA DE CASCAIS ENCOMENDOU ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DA ARRIBA DA BAFUREIRA

A Câmara Municipal de Cascais (CMC) encomendou ao Laboratório Colaborativo (CoLAB) +ATLANTIC um estudo sobre a evolução histórica das arribas da Bafureira. O objetivo é avaliar o risco existente, mas também elaborar um plano de monitorização deste setor da costa cascalense.

Recorde-se que a Praia da Bafureira, situada no concelho de Cascais, é conhecida pelo seu
importante património geológico, documentado no Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal, mas também pela instabilidade das suas arribas, motivo que já levou ao encerramento daquela praia em diversas ocasiões.

Com o estudo, a autarquia prevê a resolução deste problema, encontrando uma solução que permita a conservação do património geológico e o usufruto daquela praia em segurança. Espera-se ainda que esta informação possa vir a servir para a definição de intervenções de conservação da arriba e para a mitigação dos riscos futuramente, respeitando a dinâmica e o património geológico do local.

O estudo ficou a cargo do CoLAB +ATLANTIC e arrancou em abril de 2021, tendo ficado concluído em dezembro desse ano. Ao longo de nove meses, uma equipa de especialistas realizou, numa primeira fase, um diagnóstico da arriba tendo em conta as modificações sofridas no passado e a sua condição atual.

O Plano Nacional de Ação Litoral XXI classificou como sendo de prioridade “Elevada”a intervenção para a estabilização da arriba da Bafureira, onde foram identificadas situações de instabilidade acentuada. Nesta primeira fase do estudo, foram utilizadas fotografias aéreas históricas juntamente com realização de novas medições no local através de GPS e um drone.

A segunda etapa consistiu na criação de um plano de monitorização que permitiu acompanhar as modificações futuras da arriba da Bafureira, e que permitirá quantificar o desgaste por erosão, bem como identificar possíveis sinais de instabilidade. Pedro Almeida, oceanógrafo do+ATLANTIC e coordenador do estudo, salienta a importância da monitorização como peça fundamental na gestão da zona costeira. Segundo o especialista, citado em comunicado, “medir de forma regular as mudanças de arribas dinâmicas, como as da Bafureira, é crucial para identificar atempadamente instabilidades e evitar acidentes, como os que tiveram lugar num passado recente em outras praias portuguesas”.


As conclusões deste estudo poderão vir a ser utilizadas para planear as medidas de mitigação de risco e conservação de arriba mais adequadas, considerando a estrutura e características próprias do local. Para Lara Sá, geóloga especialista em riscos geológicos, “a Bafureira é um museu geológico ao ar livre, cujas formações rochosas e fósseis constituem um valioso património científico, o qual permite conhecer a fundo a evolução do planeta e do clima. O estudo do +ATLANTIC abre caminho para encontrarmos a melhor solução, a qual deverá assegurar o usufruto deste local em segurança ao mesmo tempo que permite conservar o seu importante património natural”.

Este estudo surgiu na sequência de uma parceria, em vigor desde 2020, entre a Câmara de Cascais e o +ATLANTIC nas áreas do mar, do espaço e do ambiente. No âmbito desta parceria foi também desenvolvido o Cascais.SENSE, um estudo multidisciplinar sobre a qualidade ambiental, como a exposição a poluição atmosférica e de ribeiras, e eventos climáticos extremos, como ondas de calor e galgamentos oceânicos.

Este estudo foi financiado na sua totalidade pela União Europeia, através do POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos. Já o CoLAB +ATLANTIC é uma instituição portuguesa sem fins lucrativos que desenvolve projetos e fornece serviços relacionados com vários campos das ciências do mar, tecnologia oceânica, economia azul, e sustentabilidade oceânica.

Quer comentar a notícia que leu?