CARLOS MOEDAS ALMOÇOU COM JOVENS EMBAIXADORES DA JMJ

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Carlos Moedas, almoçou, esta quinta-feira, dia 3 de agosto, com um grupo de jovens “embaixadores” da JMJ, que até ao próximo domingo, dia 6 de agosto, estão a prestar apoio a todos que participam no evento.

O almoço decorreu no edifício da CML localizado no Campo Grande. Durante a iniciativa, Carlos Moedas sublinhou que este grupo de embaixadores “tem ajudado muita gente”. Foram estas histórias que o autarca quis ouvir, na primeira pessoa, lembrando ainda que estes jovens “são a cara e os atores principais da cidade”. Aqui, Moedas reforçou que o seu trabalho “é serviço público”, aproveitando para agradecer a estes embaixadores da cidade.

Aos jornalistas, o edil lisboeta reforçou ainda que a JMJ está a trazer toda uma nova dinâmica à cidade. “É uma dinâmica única e que marcará uma geração, é um momento absolutamente extraordinário”, disse o autarca, lembrando que estes momentos são fundamentais no contexto atual, marcado pela guerra e por outros problemas. “A cidade uniu-se num espírito de esperança”, acrescentou Moedas, reforçando que o evento está a superar as suas expectativas.

“Imaginei tudo e imaginei o que podia correr mal e como podia resolver as situações, mas sinceramente nunca vi a cidade de Lisboa desta maneira nem com esta esperança”, prosseguiu o presidente da CML, lembrando que estes embaixadores também ajudam a autarquia em diversas situações. “A organização que tivemos está a ser elogiada”, sublinhou Moedas, salientando, contudo, que isto não é mérito seu, mas sim de toda os funcionários da Câmara de Lisboa.

Intervir no momento

Na visão do edil, o mais importante é criar “uma dinâmica de entreajuda e de esperança” nesta JMJ, bem como resolver “os problemas na hora”, algo que está a ser possível graças à colaboração destes embaixadores e dos trabalhadores da autarquia. Segundo o autarca, a ideia de criar uma equipa de embaixadores “está a correr muito bem”. Esta equipa é formada por diversos jovens, entre os quais lisboetas, estudantes universitários, entre outros.

No almoço desta quinta-feira, estiveram presentes 60 embaixadores. No total, a CML conta com 300 “Embaixadores de Lisboa”, que estarão por toda a cidade a prestar apoio aos peregrinos. Por fim, Carlos Moedas reiterou as palavras do Papa Francisco sobre Lisboa ser a “capital do mundo”, reforçando que esta ideia vai marcar “a cidade para sempre”, e que vai trazer uma mensagem “de ambição e audácia” para o futuro da cidade e do país.

Momentos que vão ficar na memória

Margarida Jesus, de 20 anos, e Ardik, de 25, são dois destes embaixadores de Lisboa e contam que esta está a ser “uma experiência fantástica”. Os dois jovens são frequentemente abordados por peregrinos para obter informações sobre locais de interesse na cidade. “O momento mais marcante até agora foi de um grupo de raparigas canadianas que foram muito simpáticas”, acrescenta.

De acordo com Margarida, elas “tiveram muito interesse em perceber o funcionamento da cidade”, sendo que, no final, ofereceram-lhes “uns brincos com a bandeira do Canadá” como forma de agradecimento. Esta foi uma das várias ofertas que a jovem já teve oportunidade de receber dos peregrinos enquanto embaixadora de Lisboa. “Se virem alguém com as nossas t-shirts, podem perguntar que vão ter uma resposta muito fiel daquilo que é a nossa cidade”, acrescentou.


Já Ardik, recorda um episódio em que foi abordado por um casal, na zona de Telheiras, e que precisava de transportar o carro para a garagem. “Foi um momento muito engraçado”, recorda. Por outro lado, lembra ainda a participação numa missa polaca, e que o ajudou a “perceber mais a cultura” da Polónia. No mesmo sentido, o jovem referiu que esta missa “tinha pessoas de várias nacionalidades, quase como se fosse a Expo 98”.

Contudo, “apesar da limitação da língua, os jovens estavam todos unidos por aquele momento”. No final deste encontro, lembrou Ardik, os peregrinos ofereceram muitas coisas, “como mel, café, e ainda um placar do Papa. Normalmente os turistas não são muito abertos e não gostam muito de falar, mas agora temos aquela alegria logo de manhã. É uma energia completamente diferente”, acrescenta. No entanto, este voluntário não sente que a língua seja uma barreira porque “quase toda a gente fala inglês”.

Estar preparado para tudo

Por outro lado, Diogo Bernardo, de 22 anos, é embaixador da cidade juntamente com o irmão. Diogo é enfermeiro e recordou uma experiência com uma senhora que caiu a andar de trotinete e sofreu uma “hemorragia na parte superior da cabeça”. “Fizemos um penso rápido, estancamos a hemorragia e ligámos imediatamente para o 112”, explicou o jovem, contando que teve o apoio de “dois peregrinos alemães que estão a estudar Medicina”. Por isso, Diogo destaca o “espírito de entreajuda” que se vive na JMJ.

Por sua vez, esta é a primeira jornada em que o jovem participa e confessa que “está a gostar muito” da experiência. “Temos de estar prontos para tudo e quando se diz que somos a cara de Lisboa isso é verdade”, reforçou Diogo, que acrescenta que ser embaixador da cidade ajuda-o “a conhecer pessoas de várias culturas”.

Quer comentar a notícia que leu?