CASCAIS ABRE HOJE AS PORTAS DO CENTRO DE ACOLHIMENTO DE EMERGÊNCIA A REFUGIADOS

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, no âmbito da campanha de apoio ao povo ucraniano, que prevê o abastecimento de bens, o resgate e o acolhimento de refugiados no concelho, vai efetuar hoje, a partir das 15 horas, uma vista ao recém equipado Centro de Acolhimento de Emergência de Cascais, em Alcabideche.

A horas de receber o primeiro grupo de refugiados, a Câmara Municipal de Cascais vai realizar hoje, a partir das 15 horas, uma visita ao recém equipado Centro de Acolhimento de Emergência de Cascais, no C3 Rua das Tojas, Alcabideche. «Quero registar a forte onda de solidariedade que o povo português e novamente o povo de Cascais demonstra nestas horas difíceis. Portanto, é participar neste grande movimento de solidariedade», sublinhou recentemente o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras.

«Este será um dos raros momentos em que o Centro abrirá portas à comunidade, depois disso funcionando por forma a garantir toda a privacidade e dignidade das famílias deslocadas», adianta a Câmara Municipal de Cascais, acrescentado que a visita dos órgãos de comunicação social «será conduzida pelo presidente da Câmara, Carlos Carreiras, e pelos parceiros públicos e privados que permitiram, em tempo record, erguer um centro com para acolher os cidadãos ucranianos em Cascais».

A campanha “SOS Ucrânia”, que recentemente arrancou, tem como objetivos abastecer o povo ucraniano, resgatá-lo nas fronteiras com a Polónia e Roménia e acolhê-lo no concelho de Cascais, distrito de Lisboa.

O Centro de Acolhimento de Emergência está equipado com 232 camas e berços, playground, sala de convívio, sala de isolamento, espaços de oração, cozinha e refeitório, supermercado social, box para animais de companhia e aconselhamento veterinário e internet wireless.

Enquanto, o Espaço Saúde (médico, enfermagem e apoio social) tem 2 Unidades de Alojamento – 200 camas (capacidade pode duplicar consoante necessidade) – e conta com uma equipa de 100 voluntários na triagem e apoio humanitário, 40 intérpretes (inglês e ucraniano) e um Balcão Único de Atendimento ao Refugiado: serviços de apoio jurídico, saúde, ação social, mobilidade e educação.





 

 

Quer comentar a notícia que leu?