CATARINA ROSA E GILSON DA COSTA GANHARAM INTERCÂMBIO ARTÍSTICO EM CABO VERDE E EM LISBOA

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) e o Instituto Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, anunciaram esta segunda-feira, dia 29 de agosto, os vencedores do programa de intercâmbio artístico em Dança, que decorre em Lisboa e no Mindelo, em Cabo Verde.

Os vencedores são os bailarinos e coreógrafos Catarina Rosa e Gilson da Costa e vão estar em residência, de 1 a 31 de outubro, no Mindelo, Cabo Verde, e em Lisboa, respetivamente. O júri era constituído por Cláudia Sampaio (Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo, convidada), Neuza Polido (Camões, I.P.) e Susana Dias (CML).

O júri, por unanimidade, decidiu escolher as propostas de trabalho de Catarina Rosa e Gilson da Costa, considerando que estas candidaturas foram as que melhor se enquadram na lógica do programa de intercâmbio artístico. Foi também destacado pelo júri o impacto e benefícios destas residências, assim como dos encontros e experiências que proporcionam, para o percurso artístico dos candidatos vencedores.

Este intercâmbio foi criado ao abrigo do Protocolo de Cooperação celebrado entre a CML e o instituto Camões. Segundo a autarquia, em nota de imprensa, este programa de incentivo à criação artística e de aposta na internacionalização da cultura, destina-se a coreógrafos e/ou bailarinos de nacionalidade portuguesa e cabo-verdiana em início de carreira e que pretendam desenvolver um projeto de criação artística na área da Dança.

Catarina Rosa, que estará em residência na cidade do Mindelo, em Cabo Verde, no mês de outubro, é bailarina e professora de dança desde 2012, e apresenta-se como Kenzi, o seu nome artístico. É ainda professora experience de Fusion Belly Dance e exploração de movimento e improvisação em dança, e dá aulas regulares em Portugal e na Dinamarca, lecionando workshops na Europa, Índia e Japão.

A artista é ainda coreógrafa e intérprete de solos por toda a Europa, e membro fundador da companhia Orchidaceae (PT), sob direção artística de Piny (Anaísa Lopes), desde 2012. Trabalha ainda como intérprete em peças de grupo em eventos de dança e festivais de verão, como Paralelo, Boom Festival, Andanças, Rock in Rio, NOS Alive, entre outros. É também co-coreografa para Orchidaceae e no ODI – Orchidaceae Dance Intensive, e ainda co-criadora do projeto The Cave e mentora do projeto Evolve, curso online sobre movimento e biologia.





Já Gilson da Costa, que vai estar em residência em Lisboa, na mesma altura, é bailarino e intérprete, tendo participado como bailarino no projeto de dança tradicional “Badju Kabu Kaba”. Foi intérprete e co-criador da peça “Expreson é Movimentu” e “Ekilibriu”, e fez direção de palco na estreia da peça solo “Izulamentu 20”. Tem formação profissional através da participação no Laboratório intensivo de pesquisa de movimento e técnicas de dança tradicional e contemporânea, com o coreógrafo Nuno Barreto e Laboratório de pesquisa e investigação para a criação do solo “Metamorfozi”.

Gilson da Costa frequentou também o workshop de dança contemporânea “Expreson & Movimentu” 1ª e 2ª Edição; o workshop de dança clássica e dança flamengo com a bailarina espanhola Ana Maria e ainda o workshop de técnicas de dança tradicional com a bailarina Bety, elemento da Companhia de Dança Raiz de Polon, no âmbito da Semana da Juventude.

Participou também nos ensaios abertos no estúdio de dança da Companhia de Dança ‘Raiz de Polon’ com a peça “Metamorfozi”. Como Organizador e Apresentador, fez parte durante cinco anos, do programa Educativo-cultural “Tereru Di Amizadi”, na Universidade de Cabo Verde.

Quer comentar a notícia que leu?