Inaugurado em dezembro, o Gabinete de Enfermagem de Queijas já prestou tratamentos básicos de saúde a cerca de de 300 utentes. Esta unidade, a funcionar três horas por dia, «funciona muito à base do carinho» com que atende os utentes.

Desde dezembro, a população de Queijas tem um Gabinete de Enfermagem a funcionar, diariamente, no Mercado Municipal, atendendo em média 10 utentes por dia. Inaugurado pelo presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, e por Inigo Pereira, presidente da União de Freguesias de Carnaxide e Queijas, esta unidade de saúde, além de ter dado de imediato uma resposta em termos de proximidade de acesso aos tratamentos básicos de saúde, está a ter «um papel importante junto da comunidade mais idosa de Queijas», tendo conseguido que muitos deles já saiam sozinhos de casa para irem ao Mercado «medir a tensão».

De facto, segundo a enfermeira Maria Gabriela Albuquerque, «muitos dos seniores que, ao princípio, apareciam acompanhados por um familiar ou amigo, agora começaram a vir sozinhos e, inclusivamente, já vão até ao café socializarem com vizinhos e amigos». Na perspetiva desta enfermeira, «o saber ouvir, o dar atenção às pessoas» é ‘meio caminho’ para conseguir uma melhor qualidade de vida para alguns problemas de saúde dos mais idosos».

Neste Gabinete são disponibilizados serviços de enfermagem, em complementaridade às Unidades de Saúde do ACESLOO, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e bem-estar de todos os que residem em Queijas, nomeadamente dos grupos mais vulneráveis (dependentes, idosos, etc.) e dos grupos de risco (diabéticos, hipertensos, etc.).

Para o primeiro ano de funcionamento, o Município apoiou o projeto com uma comparticipação financeira no valor de 22.000€, montante este destinado a fazer face a despesas com adaptação do espaço, consumíveis e recursos humanos.

Alguns dos utentes, entrevistados por Olhares de Carnaxide e Queijas, elogiam o trabalho desenvolvido pelas enfermeiras Maria Gabriela e Maria Trindade. «As nossas meninas tratam-nos com muito carinho e paciência», afirma D. Filomena Marques, uma antiga cozinheira em alguns restaurantes do concelho de Oeiras.

(Ler reportagem completa em jornal impresso de Olhares de Carnaxide e Queijas )