CONSULTAS E CIRURGIAS VÃO SER RETOMADAS

0

As consultas e as cirurgias que foram adiadas no Serviço Nacional de Saúde vão começar a ser reagendadas progressivamente a partir da semana que entra. A garantia foi dada, ontem, pela ministra da Saúde. Marta Temido.

Ontem, na conferência de imprensa diária da Direção Geral de Saúde, a ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou que as consultas e as cirurgias adiadas vão ser reagendadas, apesar dos desafios que se colocam ao SNS «estarem longe de estar ultrapassados, como estão os dias de intenso trabalho».

«Está na altura de invertermos esta lógica de que precisávamos de responder aos casos urgentes emergentes e suspender atividade programada. Ao longo das últimas oito semanas, aprendemos lições que resultam sobretudo de manter o incentivo à realização de atividade assistencial não presencial. Faremos um reagendamento da atividade assistencial não realizada, garantindo que começamos por dar prioridade aos casos que têm indicação clínica para tal. Estamos a tomar todos os cuidados para que não haja qualquer risco para os doentes não Covid que precisam de utilizar o SNS», adiantou a ministra da Saúde que, conjuntamente com a directora geral da Saúde, Graça Freitas, são os rostos mais visíveis no combate à pandemia.

Tanto a ministra, como os responsáveis da DGS, esperam conseguir «retomar progressivamente a atividade normal do SNS no final da próxima semana, começando por responder aos casos prioritários», garantindo que «o calendário é acompanhado por um conjunto de medidas adicionais».

«Temos de reforçar o equipamento de proteção individual para os profissionais de saúde que estavam numa segunda linha de atividade ou mesmo sem atividade, na medida em que as suas áreas estavam suspensas. Temos de reforçar a higienização dos espaços. Temos de reforçar as formas novas, por exemplo, de separar utentes que estão em salas de espera, os atendimentos por linhas separadas, enfim: um conjunto de medidas logísticas absolutamente fundamentais para a retoma da atividade normal», esclareceu Marta Temido.

 





Escreva aqui o seu comentário...