EMPRESÁRIA CHINESA DÁ VENTILADORES A LISBOA

0

«A epidemia vai desaparecer e amizade durar para sempre», lia-se numa das caixas de material médico (78 ventiladores) doado por uma empresária chinesa à Câmara de Lisboa que vão ser distribuídas por toda a Área Metropolitana de Lisboa.
Um avião fretado pelo Estado português chegou, este domingo, a Lisboa com equipamento médico proveniente de Pequim, incluindo 144 ventiladores e máscaras de protecção respiratória destinados ao Sistema Nacional de Saúde.
O Airbus A330-941, fretado à TAP, transportou um total de 20 toneladas e 160 metros cúbicos de carga médica, que inclui ainda viseiras e fatos de proteção, entre doações e compras do Estado português que se destinam a equipar, a partir de amanhã, os hospitais para o combate contra a epidemia do novo coronavírus.
A carga inclui equipamento médico doado pela EDP e o seu accionista chinês, a estatal China Three Gorges, pelos gigantes chineses da Internet Tencent e Alibaba, mas também por privados, como o treinador português Vítor Pereira, para além de aquisições feitas pelo Governo português.
Benemérita chinesa oferece ventiladores
Na carga, estavam também incluídos «78 ventiladores doados a Lisboa pela empresária e benemérita Sra Ming-Chu Hsu», revela o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, no Facebook, sublinhando tratar-se de um «contributo essencial para apoiar a vida dos mais atingidos pela doença e para o trabalho dos nossos profissionais de saúde».  Estado português.
Segundo Fernando Medina, «o esforço nacional que enfrentamos levou a que com a doadora tomássemos a decisão de distribuir as unidades pelos hospitais de referência de toda a Área Metropolitana de Lisboa, e não apenas de Lisboa, como estava previsto».
Assim, e dentro do espírito de unidade e solidariedade nacional, os 12 ventiladores adicionais adquiridos pela Câmara, «que chegarão nas próximas semanas, vão ser entregues ao SNS para serem distribuídos por todo o país, apoiando as zonas mais necessitadas e hospitais com maiores carências de material».
O presidente da autarquia lisboeta lembra que, «quando tantos países e unidades privadas lutam desesperadamente para adquirir material médico a qualquer preço, a senhora Ming-Chu Hsu e a toda a sua incansável equipa conseguiram adquirir este equipamento». Fernando Medina agradeceu ainda «a dedicação e profissionalismo da Embaixada de Portugal em Pequim, às equipas do Ministério da Saúde e do Ministério dos Negócio Estrangeiros».
Mais material a caminho de Lisboa
Entretanto, a embaixada portuguesa em Pequim revelou que há mais carga para ser enviada, e que ultrapassa «largamente a capacidade de um só avião, pelo que serão precisos mais voos».
O embaixador português em Pequim, José Augusto Duarte, garantiu à agência Lusa que a encomenda de 500 ventiladores feita pelo Estado português a uma empresa chinesa «está a decorrer com segurança», e previu que a entrega será feita em 15 de abril.
No entanto, o diplomata lembrou que «há uma imensa procura de material que cria disfunções no mercado», numa altura em que a crise de saúde pública, que começou em Wuhan, no centro da China, se alastrou à Europa e aos Estados Unidos e à América do Sul, resultando numa escassez global de ventiladores ou máscaras cirúrgicas.
Crédito de Fotos; Luís Filipe Catarino | CML