EXPOSIÇÃO AMOR VENERIS SERÁ ACESSÍVEL A PESSOAS SURDAS E CEGAS NESTE FIM DE SEMANA

Neste sábado, dia 22 de outubro, às 16h30, a exposição Amor Veneris – Viagem ao Prazer Sexual Feminino, a primeira exposição do Musex – Museu Pedagógico do Sexo, vai disponibilizar, em parceira com a Locus Acesso, uma visita destinada a pessoas cegas ou com baixa visão. A sessão dedicada aos surdos será no domingo, dia 23, à mesma hora, onde haverá uma interpretação em Língua Gestual Portuguesa. 

Estas visitas acessíveis decorrem uma vez por mês e vão ao encontro dos objetivos do Musex em promover ações destinadas a todos os segmentos da população, com vista a intervir de forma ativa na sociedade, eliminando preconceitos e a informar, divulgar e ensinar, de forma direta e simples sobre as questões ligadas à sexualidade.

Para além da visita deste sábado, as próximas visitas acessíveis para pessoas surdas, cegas ou com baixa visão serão a 20 de novembro e 18 de dezembro, sempre às 16h30. Cada visita tem a lotação máxima de 10 pessoas, e é necessária uma inscrição prévia até 48h antes da visita, através do e-mail programacao@musex.pt. No caso das pessoas cegas ou de baixa visão, estas devem indicar, no momento da inscrição, se levam acompanhante.

O bilhete para a exposição Amor Veneris pode ser adquirido na bilheteira do Palácio Anjos ou em ticketline.sapo.pt. Já o bilhete do acompanhante, no caso das pessoas cegas ou de baixa visão, será gratuito.

Amor Veneris – Viagem ao Prazer Sexual Feminino é uma exposição que conta com a curadoria da sexóloga Marta Crawford, com a parceria de Fabrícia Valente, e é a primeira exposição do Museu Pedagógico do Sexo (Musex), realizada com o apoio do Município de Oeiras, contando ainda com a cenografia d’Os Espacialistas e obras dos artistas Alice Geirinhas, Álvaro Leite Siza, Ana Mendieta, Ana Rito, Annette Messager, Clara Menéres, Ernesto de Sousa, Fátima Mendonça, Fernanda Fragateiro, Inês Norton, Isabel Baraona, entre outros.

Esta exposição, recorde-se, enaltece o tema Amor Veneris (clitóris), numa perspetiva artística e científica, procurando promover uma experiência pedagógica, provocadora e irreverente, pretendendo levar o público a refletir sobre a pertinência do tema do prazer sexual feminino e da sexualidade feminina, incidindo em temas como por exemplo o consentimento e o não consentimento, ou a violência sexual sobre as mulheres. Para além das obras, será ainda possível observar várias instalações interativas, com carácter lúdico-pedagógico, e referentes ao funcionamento do cérebro e aos seus sentidos, bem como outros conteúdos audiovisuais.





Quer comentar a notícia que leu?