FILOMENA FIGUEIREDO E LEONOR BELEZA DISTINGUIDAS COM PRÉMIO BEATRIZ ÂNGELO

A presidente da Fundação Champalimaud e antiga ministra da Saúde, Leonor Beleza, e Filomena Figueiredo, coordenadora do Centro de Vacinação COVID-19 de Odivelas, receberam, no Dia da Mulher, o Prémio Municipal Beatriz Ângelo, atribuído anualmente pela Câmara Municipal de Odivelas.

Filomena Figueiredo, coordenadora do Centro de Vacinação COVID-19 de Odivelas, e Leonor Beleza, Presidente da Fundação Champalimaud, foram as agraciadas da 11.ª edição do Prémio Municipal Beatriz Ângelo – a sufragista, ativista dos direitos das mulheres e líder dos movimentos feministas portugueses no início do século XX que se destacou, entre outros factos, por ser a primeira mulher a votar em eleições no nosso país.

Este galardão é atribuído anualmente pela Câmara Municipal de Odivelas a Mulheres ou Instituições com ação a nível local ou nacional, que se destaquem nos vários setores da sociedade e na promoção da igualdade de género.

Na cerimónia de entrega dos prémios a Leonor Beleza e a Filomena Figueiredo, o presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins, lembrou que assinalar este 8 de março recorda o significativo caminho já realizado em matéria de igualdade de género, mas permite, também, refletir «sobre o muito que ainda nos falta percorrer nos diversos domínios da vida cívica, política, económica, social e cultural».

Segundo o autarca, «a discriminação em função do género continua muito presente no nosso país e no mundo», sendo necessário reforçar a necessidade de «construção de uma sociedade mais justa, mais moderna, mais desenvolvida, mais livre e mais solidária» e que, para isso, «todos somos indispensáveis».

O Prémio Municipal Beatriz Ângelo é, na perspetiva de Hugo Martins, «uma distinção que procura evidenciar e premiar o trabalho e o contributo fornecido por mulheres, homens e instituições, em prol da redução das desigualdades, em particular das desigualdades de género, assim como no combate à exclusão social».





Nesta edição, salientou, «homenageamos duas grandes mulheres, duas grandes senhoras que, ao longo das suas vidas, pela dimensão humana e profissional, têm sido protagonistas ativas da emancipação da mulher e do fortalecimento da igualdade entre mulheres e homens na nossa sociedade».

Miguel Cabrita, presidente da Assembleia Municipal de Odivelas, considerou que a atribuição deste prémio, «a duas personalidades que se distinguem pela prática e pelo exemplo, em muito honra o município. Este é um modesto contributo para que possamos continuar a trilhar um caminho ainda íngreme e difícil rumo à Igualdade de Género».

A cerimónia do Prémio Municipal Beatriz Ângelo contou, ainda, com um momento cultural de celebração ao tema musical «I am Woman», de Helen Reddy, na voz de Raquel Santos, naquele que foi um manifesto feminista da década de 70 do século XX. Houve, também, lugar à peça de teatro-debate, levada à cena pelos alunos da Escola Secundária Braamcamp Freire, da Pontinha.

Quer comentar a notícia que leu?