LISBOA À PROCURA DE EMPRESAS PARA SAIR DA CRISE DO COVID

0

A Câmara de Lisboa está à procura de empresas que a ajudem a resolver os problemas económicos e sociais provocados pela pandemia do Covid-19. Por isso, vai lançar um programa de inovação aberta.

A Câmara Municipal de Lisboa, com o apoio de gestão da consultora Beta-i, lançou mais uma edição do programa de inovação aberta Smart Open Lisboa, que assenta na colaboração entre organizações, empresas e startups de todo o mundo, para obter soluções rápidas que venham «resolver desafios sociais e económicos específicos da cidade de Lisboa, dos seus cidadãos e empresas, provocados pela pandemia Covid-19».

Com foco na implementação e não tanto na experimentação, como nas anteriores edições do Smart Open Lisboa, o SOL Tomorrow está neste momento à procura de startups para colaborarem na recuperação da capital portuguesa, em contexto de pós-confinamento.

Este programa, que se destina a startups com soluções já testadas ou em implementação, com foco em tecnologias aplicadas a questões sociais e económicas, vai funcionar em regime totalmente remoto e tem candidaturas abertas através do seguinte link:  https://smartopenlisboa.com/tomorrow/

Além da Câmara, o programa tem como parceiros a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Fundação Aga Khan, PME Investimentos, Portugal Inovação Social, LIDL, bem como do Turismo de Portugal e da NOS, que irão colaborar com startups selecionadas na implementação de soluções com impacto social.

De acordo com Miguel Gaspar, vereador com o Pelouro da Economia e Inovação, Mobilidade e Segurança da Câmara Municipal de Lisboa, «esta é uma edição especial do principal programa de inovação aberta da cidade. Vamos procurar dar resposta aos múltiplos desafios que estamos a viver e continuaremos a enfrentar no período de recuperação da crise económica criada pelo COVID-19, estimulando ao mesmo tempo o ecossistema empreendedor da cidade e afirmando Lisboa como uma das cidades mais inovadoras da Europa. Para além de contar com a participação de um conjunto diversificado de parceiros públicos e privados, nesta edição decidimos envolver todos os pelouros do executivo, trazendo a inovação para todas áreas de atuação da Câmara».





Ao longo de três meses e após o processo de seleção, as melhores startups participarão num bootcamp online de dois dias para começar a trabalhar com as organizações no desenvolvimento de projetos-piloto, adaptados aos desafios de cinco áreas-chave previamente estabelecidas pelos parceiros: recuperação económica e do turismo, através da criação de novas práticas de envolvimento com turistas e comunidades locais, novas formas de pagamentos sem contacto, etc; novo paradigma de trabalho, através da redução da presença física nas funções de gestão da cidade, otimização do espaço público para atividades comerciais, etc; trabalho remoto e aprendizagem, através da capacidade de verificar a infraestrutura da cidade remotamente, recursos de e-Learning para crianças e adultos em tópicos relacionados com a crise, etc; resiliência da cidade e construção de confiança, através de informação em tempo real sobre medidas de conformidade com o saneamento de espaços públicos e privados, tecnologias de gestão de superlotação, etc; emergência social e desemprego, através de temas como a integração digital e virtual de idosos e a educação digital para pessoas em áreas vulneráveis.

Assim, a partir do mês do julho e até setembro, cada solução desenvolvida na fase de bootcamp será depois testada e implementada no contexto real.

 

Escreva aqui o seu comentário...