LISBOA COM NOVO SERVIÇO DE RECOLHA DE ELECTRODOMÉSTICOS USADOS

A recolha de grandes eletrodomésticos para reciclagem porta-a-porta foi alargada a 13 freguesias de Lisboa. «Estejam na cozinha ou na garagem, nós levamo-los para reciclagem» é o mote deste novo projeto, disponibilizado pela Câmara Municipal de Lisboa em parceria com a associação Electrão.

A recolha de grandes eletrodomésticos para reciclagem passou a abranger 13 freguesias da cidade e sem necessidade de os aparelhos serem deixados à porta, anunciou a Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, explicando que se trata de um novo serviço gratuito de reciclagem disponibilizado pela Câmara Municipal de Lisboa, estando já ativo em 13 freguesias.

Entre julho e novembro foram recolhidas 20 toneladas de grandes eletrodomésticos, das quais seis apenas no mês passado, num total de 252 recolhas. Ajuda, Alcântara, Alvalade, Areeiro, Arroios, Avenidas Novas, Beato, Belém, Campolide, Marvila, Olivais, Parque das Nações e Santo António são as freguesias que abrangem este novo serviço de logística inversa e economia circular.

Já existia um serviço semelhante, mas agora existe a recolha diretamente na casa da pessoa, «quer esteja na cozinha ou na garagem», avança a nota da associação, revelando que o «ponto de partida deste projeto foi um projeto-piloto entre a Câmara Municipal de Lisboa e o Electrão, que começou apenas por três freguesias, e depois se alargou a mais dez, entre setembro e dezembro, «para abranger novas áreas do município, dada a elevada adesão que está a registar», avança, por seu turno, a autarquia lisboeta.

A equipa de recolha assegura a movimentação do equipamento entre a casa, arrecadação ou garagem, até ao veículo de transporte, e a sua posterior reciclagem.

Pedro Nazareth, diretor-geral do Electrão, explica que «o pedido só pode ser feito se existir um grande equipamento elétrico para recolha, mas confirmamos sempre se o munícipe tem outros equipamentos fora de uso, como pequenos eletrodomésticos, lâmpadas ou pilhas para recolha, de forma a aproveitar sinergias. Também estamos a sinalizar equipamentos que ainda estão a funcionar para entregar a instituições promovendo a reutilização e aliando-a a uma causa social».






Este serviço pretende garantir que os equipamentos recolhidos, alguns dos quais com materiais perigosos, sejam encaminhados para a reciclagem em unidades licenciadas para o efeito.

A Câmara Municipal de Lisboa refere ainda que entre 2018 e 2020 a quantidade de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos encaminhados para o destino final aumentou, passando de 245,74 toneladas para 438,09, e que apenas no primeiro semestre deste ano já foram recolhidas 194,65 toneladas.

Quer comentar a notícia que leu?