LISBOA DEBATE ABANDONO ESCOLAR PRECOCE

0

O 3º Encontro Nacional das Escolas de 2ª Oportunidade vai debater, amanhã, online, o problema do abandono precoce, das baixas qualificações e da exclusão de jovens na cidade de Lisboa.

O secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, preside amanhã, 11 de dezembro, à sessão de abertura do 3º Encontro Nacional da Rede de Escolas de 2ª Oportunidade, este ano coorganizado pela Câmara Municipal de Lisboa, e onde se vai analisar as razões que levam milhares de jovens ao abandono escolar sem obtenção de quaisquer qualificações

Pela primeira vez, esta reunião magna terá lugar através de meios virtuais e, como defende o vereador Manuel Grilo, da Câmara de Lisboa representa «um primeiro passo para um projeto que se ambiciona implementar: uma Escola de 2ª Oportunidade no concelho de Lisboa».

Do ponto de vista de Manuel Grilo, a educação de Segunda Oportunidade é uma resposta ao abandono escolar sem obtenção de quaisquer qualificações, afetando um número elevado de jovens que, desta forma, estão condenados a perpetuar o ciclo de pobreza e exclusão, uma vez que saem da escola sem adquirir competências profissionais ou sociais básicas.

A cidade de Lisboa – como adianta a autarquia – é um território onde o fenómeno do abandono precoce, das baixas qualificações e da exclusão de jovens se faz sentir com particular ênfase.

«Palco de grandes desigualdades típicas de uma cidade de grande dimensão, Lisboa tem um potencial de intervenção reconhecido para um projeto educativo onde o combate às desigualdades resultantes do abandono escolar seja central», explica a edilidade.


Em Portugal existem várias Escolas de Segunda Oportunidade, tendo o projeto pioneiro de Matosinhos celebrado recentemente doze anos de atividade. O processo português de desenvolvimento das escolas de segunda oportunidade tem sido acompanhado a nível europeu e também na área do Mediterrâneo, devido ao interesse despertado pela nova política pública de segunda oportunidade que está a nascer no nosso país, na sequência da publicação do Despacho 6954/2019.

Quer comentar a notícia que leu?