Os rendimentos medianos mais elevados do país estão em Oeiras, onde o valor mediano dos ganhos está próximo dos 13 mil euros. A nível nacional, os portugueses auferem cerca de 8687 euros, revela um estudo do INE.Em Portugal, o rendimento bruto declarado deduzido do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) liquidado por sujeito passivo, em 2017, foi de 8.687 euros. Mas, percorrendo os cerca de 300 municípios do país, é possível concluir que as diferenças se acentuam, consoante se está no Norte, no litoral ou no centro. Regra geral, quanto mais para norte e para o interior, mais baixos são os rendimentos.

Dos municípios que tem os rendimentos mais elevados para os municípios onde os rendimentos são mais baixos, a diferença é superior a sete mil euros anuais. Por exemplo, em Oeiras o valor médio dos ordenados líquidos foi de 12.935 euros, e de Resende, onde o rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado por sujeito passivo foi 5.481 euros.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o distrito de Lisboa é, de facto, aquele que junta mais municípios no top 10 dos rendimentos mais elevados. Além de Oeiras, Lisboa, Cascais e Vila Franca de Xira registaram rendimentos superiores a dez mil euros. Já o distrito de Setúbal coloca dois municípios (Alcochete e Almada) neste ranking.

É de salientar, ainda, o Entroncamento (no distrito de Santarém), considerado o quarto município que possui o rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado por sujeito passivo mais alto.

E, se a distribuição no top 10 dos rendimentos mais elevados já não é muito equitativa, no top 10 dos rendimentos mais baixos é menos ainda, estando concentrado em apenas três distritos: Viseu, Vila Real e Bragança. Aos dois primeiros pertencem, respetivamente, logo cinco e quatro municípios.

A análise do INE permite ver ainda quais são os municípios do país onde a desigualdade de rendimentos é mais acentuada. Vila do Porto, nos Açores, é o concelho onde se regista a maior diferença entre os rendimentos mais baixos e os mais elevados. Mas é no Norte que a concentração das desigualdades atinge as maiores proporções, com 18 municípios acima dos valores nacionais de referência.

No Porto, que é um dos municípios mais desiguais do país, a diferença de rendimentos entre os 20% mais ricos face aos 20% mais pobres ultrapassa os 15 mil euros anuais. Na direção oposta surge o Alandroal. O concelho do distrito de Évora ocupa o primeiro lugar na tabela da igualdade de rendimentos.

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.