MADRAGOA É A GRANDE VENCEDORA DAS MARCHAS POPULARES DE LISBOA 2022

A Marcha da Madragoa venceu a 88ª edição das Marchas Populares de Lisboa, que voltaram à capital este domingo, dia 12 de junho, após a paragem forçada de dois anos provocada pela pandemia da Covid-19.

 A Madragoa apresentou o tema ‘Para Sempre Madragoa’, que faz referência à história deste bairro, conhecido pela sua ligação ao Rio Tejo e que era habitado por varinas e pescadores. Os arcos faziam referência à Rosa da Madragoa, personagem de vários fados, mas também à flor que simboliza a paixão, a beleza, a alma e o coração, elementos que se associam ao amor pela Madragoa.

O ensaiador e autor dos figurinos foi João Medeiros, que foi também autor das letras, juntamente com Mariana Peres. A conceção dos figurinos ficou a cargo de Fauze El Kadre e as músicas foram compostas por António Duarte Martins e Francisco Bahuto. Bruno Sanhá e Mia Pereira foram as mascotes e os padrinhos foram a influenciadora digital Ana Garcia Martins (Pipoca Mais Doce) e o ator Bruno Cabrerizo.

Em segundo lugar no concurso, ficou a Marcha de Alcântara, que tinha o tema ‘Com açúcar e muito afeto, Alcântara é teu doce predileto’, fazendo referência à industrialização de Lisboa, em especial à Refinaria de Açúcar, instalada em Alcântara. A fechar o Top 3, ficou a vencedora de 2019, a Marcha do Alto do Pina, que apresentou o tema ‘Para Sempre Alto do Pina’, que fazia referência às tradições deste bairro.

O desfile na Avenida da Liberdade começou com a exibição da Marcha Popular de Vale do Açor, marcha convidada que tinha como tema ‘As Redes Sociais’ Para além das 20 marchas a concurso, desfilou ainda, pela primeira vez, a Marcha Infantil das Escolas de Lisboa, e as habituais marchas extraconcurso da Voz do Operário, dos Mercados e da Santa Casa.

A edição de 2022 das Marchas Populares de Lisboa recuperou o tema indicado para 2020, que era a celebração do centenário do nascimento de Amália Rodrigues. O tema ‘Amália é Lisboa’, escrito por Joaquim Pires e composto por José Reza, foi o escolhido no concurso Grande Marcha de Lisboa e foi interpretado por todas as marchas a concurso, juntamente com as suas próprias composições.


O júri das Marchas Populares de Lisboa, em 2022, era presidido por Pedro Santos Franco, que esteve acompanhado de Henrique Feist (que avaliou a coreografia), José Costa Reis (que avaliou a cenografia), Maria Luiz (figurino), Mário Rainho (letra), Jorge Fernando (música), Filipa Pais (que fez a avaliação global de cada marcha) e ainda por Sofia Bicho (representante da EGEAC).

As Marchas da Madragoa e do Alto do Pina conquistaram o prémio de Melhor Coreografia. A Melhor Cenografia foi atribuída à Marcha do Bairro Alto e o Melhor Figurino às marchas de Alfama e Madragoa. Penha de França e São Vicente arrebataram o prémio de Melhor Letra e as marchas de Alfama e Alto do Pina venceram o prémio de Melhor Musicalidade.

O tema ‘Corte e Cose’, interpretado pela Marcha da Penha de França, ganhou a distinção de Melhor Composição Original, e a marcha vencedora conquistou ainda o prémio de Melhor Desfile na Avenida.

A prestação na Avenida da Liberdade constitui o segundo momento de avaliação por parte do júri, que aprecia também as exibições na Altice Arena, que decorreu entre os dias 3 a 5 de junho. Nesta edição das Marchas Populares de Lisboa, participaram ainda as Marchas da Mouraria, Castelo, Penha de França, Bairro da Boavista, Carnide, Lumiar, Bairro Alto, Baixa, Alfama, São Vicente, Campo de Ourique, Bica, Olivais, Marvila, Bela Flôr/Campolide, Ajuda e Belém.

Nesta noite de Santo António, passaram ainda pela Avenida da Liberdade os 16 casais que se casaram este domingo nos tradicionais Casamentos de Santo António. Destes, 11 casaram na cerimónia religiosa, que decorreu durante a tarde na Sé de Lisboa, e os restantes cinco casais trocaram alianças na cerimónia civil, que teve lugar nos Paços do Concelho, da parte da manhã.

A assistir ao desfile esteve o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que confessou ser fã do concurso. “Quando fui autarca na Câmara de Lisboa nunca perdi um desfile”, disse, elogiando ainda “a qualidade das marchas”, que no seu entender, têm tido uma evolução, “quer na música, na letra, na coreografia”.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve acompanhado pelo Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, que não escondeu a sua felicidade por o desfile estar de regresso à cidade. “Esta festa mostra a alma lisboeta”, disse o autarca, agradecendo o trabalho de todos os participantes, que “fazem das Marchas de Lisboa uma festa única”.

Classificação final:

1.º Marcha da Madragoa
2.º Marcha de Alcântara
3.º Marcha do Alto do Pina
4.º Marcha de Alfama
5.º Marcha do Bairro Alto
6.º Marcha de São Vicente
7.º Marcha da Penha de França
8.º Marcha do Bairro da Boavista
9.º Marcha da Mouraria
10.º Marcha do Lumiar
11.º Marcha de Marvila
12.º Marcha dos Olivais
13.º Marcha da Bica
14.º Marcha do Castelo
15.º Marcha de Belém
16.º Marcha de Carnide
17.º Marcha da Ajuda
18.º Marcha da Baixa
19.º Marcha da Bela Flôr/Campolide
20.º Marcha de Campo de Ourique

Quer comentar a notícia que leu?