MAIS ANIMAIS ADOTADOS

0

A taxa de adoção de cães no canil municipal de Loures, no distrito de Lisboa, tem vindo a aumentar gradualmente. Em 2020, apesar da pandemia, registou-se a adoção de 98 gatos e de 180 cães, 156 canídeos foram adotados por particulares e 24 por associações zoófilas.

O número de animais errantes, tanto cães como gatos, têm aumentado no concelho de Loures. Mas, em contrapartida, o número de adoções tem registado aumentos significativos. Consequência ou não da pandemia, em 2020, foram entregues para adoção 180 cães, dos quais 156 foram adotados por particulares e 24 por associações zoófilas. Quanto aos gatos, foram 98 os animais adotados, dos quais 76 por particulares e 22 por associações zoófilas.

O número alcançado em 2020 – segundo a veterinária responsável pelo Centro de Recolha de Animais e chefe dos serviços municipais de Veterinária, Vanessa Grima – representa um aumento substancial face aos anos anteriores: em 2019 tinham sido entregues para adoção 140 animais e, em 2018, apenas 53. O crescimento mais significativo verificou-se na adoção de gatos: em 2019 foram adotados 19 gatos e no ano seguinte 98.

Dispondo de uma capacidade de alojamento, em boxes individuais, para 55 cães e 15 gatos, este centro de recolha de Loures funciona como uma espécie de «albergue para animais errantes», abandonados pelos donos ou que nasceram «na rua», promovendo a adoção de todos os cães capturados, após um rigoroso exame médico de diagnóstico do seu estado de saúde.

«Esta evolução – explica – resulta da implementação de uma política de incentivo à adoção responsável e a um programa regular de ações descentralizadas de campanhas de adoção», destacando o facto de todos os cães que são dados para adoção serem entregues vacinados e chipados e de a autarquia disponibilizar aulas gratuitas de treino «para que os donos saibam lidar melhor com os seus animais».

Do ponto de vista da veterinária Vanessa Grima, o trabalho do Centro «tem vindo a melhorar», salientando que, 2020 ficou marcado, muito positivamente, por um «avanço significativo no domínio do bem-estar animal», apesar de se ter registado um aumento dos abandonos de animais.





Os animais disponíveis para adoção podem ser consultados num portal do animal de companhia, acessível através da página de internet da Câmara de Loures.

Vanessa Grima realçou que, além dos cães, a autarquia tem vários programas de esterilização de gatos, como é o caso do programa “Aqui há gato”, que abrange cerca de 150 colónias de gatos, num universo de 1400 animais recenseados e 40 cuidadores inscritos.

Para este programa de esterilização de gatos, a Câmara de Loures reforçou, em 2020, os meios humanos e os meios operacionais, com a criação de um posto veterinário móvel e a capacitação das instalações do CROAL. Por outro lado, no âmbito deste programa de Captura, Esterilização e Devolução (CED), estão recenseados 2980 gatos assilvestrados. Das mais de três centenas de colónias identificadas, há 187 que têm cuidadores voluntários, com termos de colaboração celebrados com o Município. Além das esterilizações e do controlo sanitário, o acompanhamento das colónias tem permitido o resgate precoce de jovens crias, encaminhadas para adoção. Foram já esterilizados cerca de 1100 gatos.

Não às adoções por impulso

Vanessa Grim ressalvou a relevância destes números, «num ano em que se viveu uma crise pandémica», defendendo que o Centro de Recolha de Loures tem pautado a sua ação por «desincentivar as adoções por impulso», fazendo um inquérito pré-adoção para avaliar as condições do local para onde irá viver o animal e as condições económicas e sociais dos tutores. «Fazemo-lo para assegurar o bem-estar dos animais e para que estes não voltem a ser abandonados», justificou.

No entanto, para esta responsável, o aumento de adoções deveu-se não só à maior sensibilização para as questões animais, mas também à maior disponibilidade para pesquisar informações na Internet. «Uma das coisas que o confinamento trouxe foi uma maior disponibilidade para procurar informação e para a divulgar nas redes sociais. O crescimento destas ações tem sido muito significativo», sublinhou.

Apesar de o balanço de adoções ser positivo, Vanessa Grim, à semelhança do que já foi afirmado pelo vereador com o pelouro dos Serviços Veterinários, Paulo Piteira, chama a atenção para o crescimento do número de abandonos e para o perigo de um aumento este ano devido aos efeitos económicos e sociais da pandemia da covid-19. «Estou preocupada com a taxa de abandono, que não tem parado de crescer. O meu apelo é que haja responsabilidade», apontou, lembrando que, em 2020, o CROAL resgatou 450 animais 288 cães e 162 gatos. A maioria dos casos diz respeito a animais errantes e abandonados, verificando-se também situações resultantes de operações de resgate ligadas a casos de insalubridade ou de más condições.

Segundo a veterinária, a população de animais errantes continua a crescer. Além da unidade de Serviços de Veterinária, onde inclusivamente pode realizar cirurgias, o centro está equipado com uma unidade móvel do Serviço Veterinário para recolha e transporte de animais e uma outra preparada para desempenhar as funções de pronto socorro, recolha e encaminhamento de animais sinistrados na via pública, estando igualmente dotada de equipamento de contenção no transporte e de primeiros socorros.

Descarregue a edição impressa OLHAR LOURES Nº 1 e leia em todos os dispositivos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here