OBRAS FECHAM PRAÇA DE ESPANHA AOS CARROS

0

As obras do novo Parque Urbano da Praça de Espanha, Lisboa, começaram hoje, obrigando ao corte de parte do anel interior da rotunda, com o presidente da autarquia a considerar que o momento mais incómodo é o começo da empreitada

A Praça de Espanha é uma das zonas mais congestionadas de Lisboa e por isso será um exercício de paciência esperar pelo final das obras de mais um megaprojeto para a cidade, que começa a ser desenhado a partir de hoje.

A primeira de oito fases da intervenção passa por «obras de reordenamento viário». A primeira medida será o corte da via entre a Avenida Calouste Gulbenkian e a Avenida Santos Drumont e em 15 dias serão fechadas as vias centrais que ligam a Calouste Gulbenkian à Avenida dos Combatentes.

Estes constrangimentos de trânsito que vão ser sentidos até ao final do ano, altura prevista para a finalização da obra que irá transformar a Praça de Espanha num grande espaço verde. Um projeto que o atelier NPK – Arquitetos Paisagistas Associados batizou de «Os caminhos da água» e que foi a proposta vencedora do concurso internacional promovido pela Câmara de Lisboa. No fim, os estaleiros não vão deixar a zona, uma vez que a seguir será feita a obra de expansão dos jardins da Gulbenkian.

«O momento mais crítico em relação à circulação automóvel é o início, porque é um momento em que tem de haver a adaptação de aqueles que todos os dias entram e saem da cidade de Lisboa e em que há uma necessidade de adaptação por parte dos automobilistas», afirma Fernando Medina.

Por volta das 08h30 de hoje foi encerrado o trânsito no anel que circunda o relvado central, no sentido Avenida Calouste Gulbenkian-Avenida dos Combatentes. Os momentos de corte à circulação vão «oscilar» ao longo do período da obra, que se vai prolongar durante os próximos 10 meses.

«Durante todos os momentos equipas da Polícia Municipal vão ser destacadas para este local, para apoiar a circulação, e creio que vai correr com normalidade. Com o constrangimento que uma obra coloca, mas com normalidade, dado o tipo de uma intervenção desta natureza», acrescenta Fernando Medina.

A estação de metropolitano da zona (Praça de Espanha, na Linha Azul) vai ser requalificada, com a instalação de um elevador.

«Após a conclusão da obra a circulação vai funcionar melhor, com circuitos mais fluidos nas ligações diretas à Avenida de Berna, Avenida Calouste Gulbenkian e Avenida dos Combatentes, à Avenida António Augusto Aguiar», disse ainda o presidente da Câmara de Lisboa.

Fernando Medina, que esteve presente na Praça de Espanha no momento do primeiro corte de trânsito, disse que atualmente a Praça de Espanha é uma área incaracterística e que a obra vai dar origem a um novo jardim de seis hectares, com mais de 600 árvores, além de ligações pedonais.

No âmbito dos trabalhos de requalificação da Praça de Espanha, a partir de 13 de janeiro o trânsito estará condicionado. Será encerrada a via de ligação entre a Avenida Calouste Gulbenkian e a Avenida Santos Dumont. Consulte as informações e condicionamentos https://www.lisboa.pt/nova-praca-de-espanha. São garantidos os acessos de ambulâncias e viaturas de transporte de doentes ao Instituto Português de Oncologia, a partir da Avenida dos Combatentes.

Notas:

A partir de 13 de janeiro

  • Encerramento da circulação no movimento que circunda o jardim, sentido Av. Calouste Gulbenkian – Av. Combatentes. Consulte as alternativas no mapa seguinte.
  • Paragem da TST no sentido Av. Calouste Gulbenkian – Av. Combatentes: é suprimido o local da paragem de descida no topo nascente. Em alternativa, deverá ser usada a paragem anterior, sob o viaduto da Av. José Malhoa.
  • Acesso de ambulâncias, e viaturas de transporte de doentes, ao Instituto Português de Oncologia é garantido a partir da Avenida dos Combatentes.

Descarregue e leia no seu computador ou equipamento móvel a edição impressa OLHARES-DE-LISBOA-Nº-10

 

Escreva aqui o seu comentário...