ODIVELAS CELEBRA 23º ANIVERSÁRIO SOBRE A ÉGIDE DE D. DINIS

0

O que deixamos para trás quando morremos? D. Dinis quis deixar a imagem de um bom rei, justo e cumpridor de todos os preceitos religiosos. No Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, o túmulo do rei é a representação desse desejo que, agora, é retratado pelo livro ‘Mosteiro de Odivelas. Documentos fundacionais’ e inteiro postal ‘Túmulo de D. Dinis, lançado ontem no decorrer das comemorações do 23º aniversário da criação do concelho.

Ontem foi dia de Odivelas celebrar o 23º aniversário da sua elevação a concelho e, nada melhor que o lançamento de um livro sobre o Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, para celebrar condignamente esse aniversário, defendeu Hugo Martins, presidente da Câmara Municipal, acrescentando que, «esta obra perpetua a história e o património do concelho».

Na perspetiva do autarca, que agradeceu ao vereador da Cultura, Edgar Vales, por ter possibilitado a edição do livro ‘Mosteiro de Odivelas. Documentos fundacionais’, «é necessário “despertar” as nossas crianças para a história de Odivelas», lembrando que, ontem, também foram apresentados dois livros infantojuvenis sobre o Mosteiro.

Hugo Martins, por outro lado, revelou que o município já investiu quatro milhões de euros na recuperação do património histórico do concelho, nomeadamente da recuperação da Anta de Caneças, com mais de 5 mil anos, no Mosteiros de São Dinis e São Bernardo e na reabilitação dos emblemáticos jardins da Quinta do Espirito Santo.

Segundo Hugo Martins, «para a Câmara é muito importante investir na recuperação do nosso património material e imaterial», lembrando que a autarquia recebeu um prémio pelo livro que se debruçava sobre os «valiosos azulejos» de Odivelas. Com estas iniciativas, a autarquia pretende «não deixar que a nossa memória histórica não se perpetue para as gerações futuras».

Por seu turno, Hermenegildo Fernandes, Diretor da área de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que fez a apresentação do livro Mosteiro de Odivelas. Documentos Fundacionais, salientou a importância que «o mosteiro tem na história portuguesas», sublinhando a «relação umbilical que o mosteiro teve com a coroa portuguesa», apontando: «é essa relação que este livro estabelece».




Hermenegildo Fernandes recordou que este património «colheu durante muitos séculos as elites portuguesas. Frisando a importância das relações do «mosteiro com a sociedade politica de então e com o território», o historiador considerou «que este é um património nuclear na reconstrução da monarquia» lusitana, em 1640.

A obra, que conta com coordenação científica de Saul António Gomes, é composta por textos históricos e transcrições paleográficas de Saul António Gomes, Luís Miguel Rêpas e João Fresco, centrando-se no período de 1295 a 1325, com incidência no rei D. Dinis e na problemática referente à fundação do Mosteiro de Odivelas, na comunidade conventual deste período, com especial atenção para as suas abadessas e ainda na constituição do património inicial e na sua gestão.

Do ponto de vista do diretor da Facultade de Letras, «este é uma obra cientifica, que reúne vários documentos históricos e estudos, que nos permitem conhecer a realidade monástica de então, em particular a do Mosteiro de São Dinis e São Bernardo».

Na opinião de Hermenegildo Fernandes, o mosteiro também desenvolveu «uma realação intimo com o seu território», tendo sido «o verdadeiro criador urbano e do território.

Lançamento de postal

Durante a apresentação do livro e também integrado nas comemorações do 23º aniversário de Odivelas, foi também efetuado o lançamento de um postal dos CTT, a venda nas lojas CTT, sobre o túmulo de D. Dinis.

Raul Moreira, diretor de Filatelia dos CTT, afirmou: «os CTT quiseram associar-se às celebrações do 23 º aniversário de Odivelas, com a feitura de um postal comemorativo do tumulo de D. Dinis, o monarca que institucionalizou a nossa língua».

Confessando-se um apaixonado pela figura do poeta e monarca, Raul Moreira revelou: «vamos colocar em circulação este postal do tumulo de D. Dinis», tendo convidado o presidente da autarquia, Hugo Martins, «a enviar o primeiro postal desta edição».

Sessão solene

Depois da sessão de lançamento do livro, aconteceu, no pavilhão Multiusos de Odivelas. a sessão solene comemorativa do 23º aniversário. Hugo Martins fez questão de salientar a identidade própria do concelho, recordando que foi o primeiro concelho que recebeu o metropolitano fora do concelho de Lisboa e que teve primeira loja do cidadão de terceira geração.

Hugo Martins, que promete nunca descurar o investimento nas pessoas e no território, sem esquecer o rigor das nossas finanças, recordou as várias ações realizadas pela autarquia em termos de combate a Covid 19 e de apoio às famílias mais carenciadas.

Após defender que as políticas que têm sido assumidas pelo município têm tornado o território de Odivelas bastante apelativo, o autarca revelou que vai ser colocado a concurso público a implantação de mais postos de abastecimento para carros elétricos. Outro grande desafio que se coloca neste mandato, ao nível metropolitano, é o da mobilidade, sublinhando a importância do alargamento da rede do Metropolitano de Lisboa, «numa ligação direta ao Hospital Beatriz Ângelo que permitirá melhorar o acesso a cuidados de saúde e numa ligação ao Município de Loures que vai gerar no nosso território, menor pressão automóvel, maior descongestionamento do trânsito, maior oferta de estacionamento e, naturalmente, melhor ambiente».

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here