OEIRAS ENTREGA MATERIAL A HOSPITAIS MAS QUER CONTINUAR A SONHAR

0

No dia em que entregou equipamento para combate ao Covid-19 aos hospitais S. Francisco Xavier e à prisão de Caxias, o presidente da Câmara de Oeiras lembra que «está nas nossas mãos assegurar uma saída da crise e continuarmos a sonhar».

«Nunca, como agora, foi tão importante e urgente realizar, investir e executar projetos e obras», afirma Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras, num despacho que emitiu relativo à dinamização da economia e ao Exercício de 2020, lembrando que a «pandemia de COVID-19 levou o município a implementar diversas medidas e ativar o Plano Municipal de Emergência e o Plano Operacional Municipal a fim de minimizar os riscos e os danos em quem vive e trabalha no concelho de Oeiras».

Do ponto de vista de Isaltino Morais, se queremos «continuar a sonhar» com um futuro melhor, coeso e próspero e socialmente justo, «temos que congregar esforços para defender a economia, as pequenas e médias empresa, as instituições sociais, desportivas e culturais». Setores «determinantes para o emprego e para o bem-estar de milhares de famílias».

O autarca de Oeiras lembra que a pandemia de COVID-19, «para além dos impactos gravíssimos a nível de saúde na nossa comunidade local e nacional», vai ter «consequências ainda incalculáveis na economia e no emprego».

Por isso, ciente que este impacto económico irá atingir decerto a qualidade de vida e o bem-estar de milhares de famílias, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras apelou a todos os dirigentes e técnicos do município a «possibilidade de determinarem mais atividade e mais emprego ao acelerarem procedimentos, concluírem projetos, lançamentos de obra, aquisição de fornecimentos, prestação de serviços, processamento de apoios e prestações socioculturais».

Assim e com o intuito de continuar a cumprir um programa destinado à melhoria das condições de vida dos oeirenses, o autarca pede, agora, que «todos congreguem esforços para defender a economia, as pequenas e médias empresas e as instituições sociais». Pois são determinantes para o emprego e para o bem-estar de milhares de famílias.

Com este apelo a uma atitude proativa e dedicada ao cumprimento tempestivo e esforçado das funções, apelou a todos os dirigentes e técnicos da autarquia uma taxa de realização máxima das Grandes Opções do Plano de 2020.

No mesmo despacho, e com o intuito de acompanhar com maior proximidade a atividade de cada departamento municipal, Isaltino Morais agendou reuniões quinzenais com dirigentes, diretores e vereadores a fim de acompanhar o planeamento e execução de atividades de cada unidade orgânica.





Por fim, não esquecendo os esforços no combate à pandemia COVID-19, elogia os heróis do momento: os Profissionais de Saúde, Polícias, Bombeiros, Proteção Civil e Operacionais do Ambiente que estão a dar o seu melhor na linha da frente.

Câmara entrega equipamentos a hospitais

Entretanto e dentro do espírito de solidariedade e de entreajuda com outras instituições, a Câmara de Oeiras entregou material essencial para o combate ao Covid-19 aos hospitais, São Francisco de Xavier e São João de Deus (Hospital Prisional de Caxias).

Ao São Francisco Xavier, a autarquia entregou 60 seringas elétricas infusoras e 30 bombas elétricas infusoras. Enquanto, ao Hospital Prisional de Caxias ofereceu 10.000 máscaras cirúrgicas, 150 máscaras formato FFP2, 100 viseiras e 4 termómetros lazer.

A autarquia – revela um comunicado – «aguarda, a todo o momento, mais Equipamento de Proteção Individual (EPI), designadamente fatos Tyveck, óculos panorâmicos, fatos hospitalares, gel (álcool), botas e toucas, entre outros, que serão entregues à medida que chegam. Nos últimos dias, a edilidade recebeu apelos do Sindicato Independente dos Médicos e da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais para apoio à situação que consideram grave de escassez de Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Desde o primeiro momento de combate à pandemia, a Câmara de Oeiras tem apoiado todas as instituições do Concelho, entre elas os hospitais e estabelecimentos prisionais. Para o efeito, aprovou uma revisão orçamental no valor 3, 735 milhões de euros.