OEIRAS TEM NOVO ESPAÇO DE ACOLHIMENTO PARA REFUGIADOS

Em Oeiras, a Câmara Municipal vai disponibilizar, em cooperação com o grupo de saúde Joaquim Chaves, novos espaços para acolhimento dos refugiados ucranianos que escolheram o nosso país para fugir à guerra. Também em Oeiras, a ACECOA está a promover aulas de português para cidadãos ucranianos, em Algés.

A Câmara Municipal de Oeiras vai disponibilizar 21 alojamentos para acolhimento de famílias refugiadas da guerra da Ucrânia, encaminhados pelo Alto Comissariado para as Migrações. Em articulação com o grupo de saúde Joaquim Chaves, que cedeu e remodelou as antigas instalações da Clínica Médica de Carnaxide, o município de Oeiras ficará responsável pela gestão do espaço.

O município de Oeiras continua atento e empenhado no apoio ao povo ucraniano. Além de camiões com várias toneladas de bens essenciais que já foram enviados, foi criado um formulário (https://bit.ly/36RKZwI) para dar resposta aos inúmeros contactos e ofertas de particulares e instituições que chegam à Câmara Municipal de Oeiras, através do qual as pessoas/entidades interessadas em contribuir podem descrever o tipo de apoio que pretendem disponibilizar: bens, habitação, trabalho, ensino de português ou outros.

As ajudas pretendidas, podem ser para apoiar aqueles que se encontram na Ucrânia e nas zonas fronteiriças limítrofes, como para quem já se encontra em Portugal. Todos os que preencherem o formulário serão posteriormente contactados, dando-se continuidade ao processo. Esta é mais uma ferramenta que a autarquia coloca à disposição de quem pretende ajudar.

Aulas de português em Algés

Por outro lado, iniciaram-se na quarta-feira, 13 de abril, nas instalações da ACECOA – Associação Comercial e Empresarial dos Concelhos de Oeiras e Amadora, em Algés, aulas de português para os cidadãos refugiados da Ucrânia.





Este projeto, que conta com o apoio de várias entidades, entre as quais a União das Freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada-Dafundo, pretende contribuir para uma melhor integração destes cidadãos na comunidade.

As aulas, ministradas por professores voluntários que se disponibilizaram para apoiar os refugiados deste território do leste europeu, estão direcionadas para adultos e crianças a partir dos 8 anos.

Neste momento, estão constituídas duas turmas, com um total de 40 alunos, estando previsto o alargamento da oferta consoante o número de inscrições.

O presidente da União de Freguesias, João Manuel d´ Oliveira Antunes, a vogal da autarquia com o pelouro da ação social, Patrícia Camarinho, e a diretora de serviços da ACECOA, Lucileide Santos, estiveram presentes no arranque desta iniciativa solidária.

Quer comentar a notícia que leu?