RAMALHO EANES E MARIA BETHÂNIA APOIAM «OEIRAS 27»

0

O general Ramalho Eanes é o presidente do Conselho de Honra de «Oeiras 27», um novo projeto da Câmara Municipal de Oeiras para definição de um plano estratégico da candidatura a Capital Europeia da Cultura 2027.

A Câmara Municipal de Oeiras vai lançar amanhã, quinta-feira, o «Oeiras 27», uma marca estratégica que irá integrar a candidatura para Capital Europeia da Cultura em 2027, mas que pretende afirmar-se como um novo ciclo no desenvolvimento do concelho.

Um grupo de personalidades nacionais e internacionais fazem parte da Comissão de Honra de Oeiras 27, que é presidida pelo general António Ramalho Eanes e inclui o presidente da CIP, António Saraiva, a cientista Elvira Fortunato, os atores Eunice Muñoz e Ruy de Carvalho, o bailarino Marcelino Sambé, a cantora brasileira Maria Bethânia, o designer francês Philippe Starck e a campeã olímpica Rosa Mota.

«Oeiras 27», como anuncia a autarquia, tem um Conselho Geral constituído por 32 personalidades, entre as quais se incluem Eduardo Marçal Grilo, David Justino, Guta Moura Guedes, Joana Carneiro,  Kalaf Epalanga, Katia Guerreiro, Miguel Poiares Maduro, Mónica Bettencourt Dias,  Simonetta Luz Afonso, Vítor Ramalho, tendo como embaixadores 27 Camané, Paulo de Carvalho, Sofia Alves, Francisco Vidal.

Segundo a autarquia, «Oeiras 27 assenta em cinco eixos estratégicos: Oeiras, Ecossistema Urbano; Oeiras, Capital da Poesia e das Culturas de Língua Portuguesa; Oeiras, Capital das Artes e da Criatividade; Oeiras, Capital das Heranças Culturais; Oeiras, Capital do Património Marítimo.

O Comissário da Candidatura, Jorge Barreto Xavier, revela que «estes eixos refletem a ambição deste projeto que vai muito além da candidatura a Capital Europeia da Cultura, porque é um projeto que aposta na Cultura, nas Pessoas e no desenvolvimento de Oeiras», estando prevista a construção do Centro Cultural de Linda-a-Velha, que terá uma sala de espetáculos de nível internacional  para 1400 pessoas, a construção do Centro de Congressos de Paço de Arcos, a construção do Hub de Indústrias Criativas de Porto Salvo e a construção do centro de interpretação do Castro de Leceia.




No âmbito deste projeto vai ser reabilitado o Convento da Cartuxa (Caxias) para receber um centro internacional de artes contemporâneas, da Bateria do Areeiro (Oeiras) para um projeto museológico no domínio das fortificações marítimas, da Fábrica de Cima da Fábrica da Pólvora para um centro na área das artes cinematográficas, performativas e visuais, da Estação Agronómica Nacional para um conjunto de utilizações polivalentes, entre as quais, na área da cultura e gastronomia.

Palácio do Marquês passa a museu

O Palácio Marquês de Pombal, em Oeiras, será também transformado numa unidade museológica na área das Artes, Ciências e Tecnologias, estando previsto o desenvolvimento de uma programação sistémica na área da poesia no Parque dos Poetas e Templo da Poesia, assim como em outros locais.

Em desenvolvimento estão também um conjunto de praças em diversos pontos do concelho, que vão acolher equipamentos culturais e tecnologias de ecrãs e sensores que permitirão a sua interação, em programações de diferentes géneros.

Do ponto de vista do presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, «todos estes projetos vão transformar, nos próximos dez anos, o concelho de Oeiras, com os seus 46 kms2, na cidade de Oeiras, uma cidade polinucleada, que se constrói em torno da Cultura e que se quer projetar nacional e internacionalmente, como espaço de Arte, Ciência e Tecnologia, contribuindo para a valorização da Área Metropolitana de Lisboa e do País no seu todo».

Quer comentar a notícia que leu?