Feira do Livro de Lisboa abre hoje com novos pavilhões e horário

A Feira do Livro de Lisboa deste ano vai ser a maior de sempre, chegando ao limite da sua capacidade, com 350 pavilhões, duas novas praças, horário alargado e uma forte aposta na acessibilidade de pessoas com necessidades especiais. A 94.ª edição da Feira do Livro de Lisboa vai decorrer entre os dias 29 de maio e 16 de junho, este ano atingirá o limite máximo e com mais acessibilidade para pessoas com mobilidade condicionada.

A 94.ª Feira do Livro de Lisboa abre as portas hoje (29 de maio) e encerra a 16 de junho, terá oito novos participantes e ocupa mais espaço no Parque Eduardo VII. É o primeiro ano no caminho de uma feira mais inclusiva. A inauguração oficial, às 20:00, conta com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assim como da ministra da Cultura, Dalila Rodrigues, e do presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas.

No ano passado, cerca de 895 mil pessoas visitaram a feira. Este ano, o evento tem novidades que, espera a APEL- Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, poderá trazer ainda mais pessoas ao parque.

Horário alargado

Este ano a feira abre mais cedo. De segunda a sexta-feira e nas vésperas de feriado: abre às 12:00. Aos sábados, domingos e feriados: abre às 10:00. Quanto ao encerramento, de segunda a quinta-feira e também aos domingos e feriados, fecha às 22:00. Nas sextas-feiras, sábados e vésperas de feriados: fecha às 23:00.

Além do habitual Espaço dos Pequenos Editores e do espaço do Plano Nacional de Leitura, a feira conta com 140 participantes que representam 960 chancelas editoriais e que estarão distribuídos por 350 pavilhões – mais dez do que até aqui. O que significa que a feira se estende mais para cima no Parque Eduardo VII, permitindo a criação de duas novas praças (seis, no total).

Este alargamento permitiu ter oito novos participantes: a Editora Exclamação, a Poética | Jugular, a Nimba Edições, a M. Moleiro, a Toth-Books, a Oficina da Escrita, A Seita e a APEI – Associação de Profissionais de Educação de Infância.

Bengaleiro e carregamento de telemóveis

É uma das novidades este ano: um serviço de bengaleiro que permite não só guardar os casacos, como também as compras que já fez na feira, assim como malas e carrinhos de bebé.

Neste espaço, situado junto à entrada sul, é ainda possível o carregamento de telemóveis, a expedição de livros por correio, e procurar ou deixar “perdidos e achados”.


Fraldário e espaço de amamentação

Mais uma novidade: dois espaços de apoio à família que resultam de uma parceria com o Centro do Bebé.

Situado junto à entrada sul da feira, as famílias encontram um espaço onde podem aquecer a comida do bebé, dar a refeição, mudar a fralda ou amamentar. O segundo espaço encontra-se no topo norte da feira com condições para amamentação e fraldário.

Mais acessibilidade

Para Pedro Sobral, presidente da APEL, garantir a acessibilidade de todos à Feira do Livro é uma das prioridades. “O Parque Eduardo VII é a pedra basilar desta feira, é um dos fatores mais críticos de todo este sucesso, porque é central, porque é ao ar livre, porque, independentemente de ter as tais rampas e o terreno acidentado, é um sítio onde as pessoas gostam de passear”, disse.

A principal aposta este ano é a melhoria das acessibilidades para pessoas com mobilidade condicionada, graças a um protocolo assinado com a Access Lab (empresa que trabalha a questão da acessibilidade em Portugal, pelo direito à cultura das pessoas com deficiência) para os próximos três anos. “Há ali uma série de desafios que demoram a ser implementados e, portanto, é preciso fazer uma série de levantamentos, mas já este ano vamos ter, por exemplo, mais casas de banho com acesso para as pessoas de mobilidade condicionada”, observou Pedro Sobral.

Adicionalmente, as rampas vão estar mais bem sinalizadas e vai haver “uma formação bastante intensa por parte da Access Lab quer ao staff da APEL, quer aos participantes, para poderem dar informação adequada às pessoas de mobilidade condicionada”, especificou o responsável.

A parte da programação também será mais acessível, com uma agenda específica de eventos com língua gestual portuguesa, e a existência de um alfabeto de cores para daltónicos, que, entre outras coisas, ajuda as pessoas a orientarem-se nas praças, que são definidas por cores.

Hora H

Além dos livros do dia – que podem ser consultados no site oficial da Feira do Livro – que têm um preço reduzido, mantém-se a Hora H, que permite que os visitantes comprem todo o fundo de catálogo (livros que saíram há mais de 24 meses) com desconto de 50%, e que neste ano contará com 277 pavilhões aderentes, ou seja, cerca de 80 % dos participantes na feira.

A Hora H realiza-se de segunda a quinta-feira na última hora da feira (das 21:00 às 22:00), e não acontece aos feriados.

Programação musical

A iniciativa “Sextas há música” acontece todas as sextas-feiras, às 22:00, no Auditório Norte da feira: Joana Alegre a 31 de maio; JP Simões a 7 de junho; e Ela Li a 14 de junho.

Há outros concertos previstos para os outros palcos. Por exemplo, no Dia Mundial da Criança, 1 de junho, há concerto da Orquestra Geração no pavilhão da Santa Casa da Misericórdia. No dia 8, no Auditório Sul, atua a Banda Sinfónica da PSP.

Acampar com histórias

A iniciativa Acampar com Histórias destina-se a crianças entre os 8 e os 10 anos, mediante inscrição, e custa 18,5 euros. As crianças têm oportunidade de passar a noite na feira, acampando entre os livros e partilhando histórias. Estão previstas seis sessões (sextas, sábados e vésperas de feriado) com capacidade para 25 crianças por noite.

Doação de livros

Se tem livros que já não quer, aproveite e deixe-os no pavilhão, Doe os Seus Livros, uma parceria da feira com o Banco de Bens Doados, que conta com mais de 264 mil livros angariados desde 2015. O pavilhão está localizado junto à entrada sul.

Os livros doados serão depois entregues a instituições da Entreajuda, com o objetivo de promover a leitura entre os mais jovens.

Comidas para todos

Além dos vários espaços de comes e bebes, espalhados pela feira, com destaque para a varanda sobre o Parque Eduardo VII, a comida está presente na feira também através de showcookings que acontecem na Praça Verde: Sérgio Garcês, autor do livro “Pão Com Cenas. Streefood à portuguesa” (1 junho); Carolina Almeida, autora de “Comida de Bebé” (2 junho); Gabriela Oliveira, autora de “Cozinha Vegetariana Para Ganhar Tempo” (2 junho); Susete Estrela, autora de “Sabe o Que Anda a Comer?” (7 junho); Rita Nascimento, mais conhecida por La Dolce Rita, que lançou recentemente “Na Travessa” (9 junho), e Chakall (10 de junho), entre outros.

Apresentações, lançamentos, autógrafos

Para os 19 dias de duração da Feira do Livro de Lisboa estão programados mais de 2000 eventos, com a presença de autores nacionais e estrangeiros.

Destacamos: o escritor best-seller suíço Joël Dicker está na feira para o lançamento de um novo ‘thriller’, “Um animal selvagem” (Alfaguara), com apresentação de João Tordo (dia 29 às 18:00); no dia seguinte participa numa “conversa cruzada” com o escritor Javier Castillo (16:00) e depois tem ainda duas sessões de autógrafos nos dias 30 e 31;

O autor espanhol Javier Castillo, além da conversa com Dicker, também terá uma sessão de autógrafos na Praça Penguin Random House (dia 30, 18:00);

O escritor francês Jean-Baptiste Andrea, vencedor do Prémio Goncourt 2023, estará na feira para o lançamento de “Velar por Ela” (Porto Editora), no dia 30 de maio às 15:00, seguido de uma sessão de autógrafos;

O escritor espanhol Fernando Aramburu estará Praça Leya a apresentar o seu mais recente romance, “Filhos da Fábula” e a conversar com os leitores, a 30 de maio, às 16:00;

No dia 2 de junho, às 16:00, há o lançamento da obra “Dia”, com o autor Michael Cunningham e, depois, sessão de autógrafos, no pavilhão da Gradiva;

O autor português Mário Rufino estará na feira para dois momentos: sessão de autógrafos no dia 3 às 15:00 no pavilhão da Bertrand, e lançamento do seu romance de estreia, “Cadente”, dia 12 às 19:00;

Lançamento do livro “Para Uma História Política da Raça” (Tinta da China), com a presença do autor Jean-Frédéric Schaub e apresentação de Pedro Cardim, no dia 3 de junho às 19:00 na Praça Laranja;

A escritora franco-marroquina Leïla Slimani estará numa sessão de autógrafos no pavilhão da Penguin no dia 5 de junho pelas 19:00;

Lançamento da “Antologia do Conto Erótico Brasileiro” (Tinta da China), com a presença da organizadora Eliane Robert Moraes e apresentação de Anabela Mota Ribeiro e Isabel Lucas, no dia 7 de junho às 20:00;

A autora belga Alix Garin estará na Praça Leya para conversar sobre o romance gráfico “Não me Esqueças”, a 10 de junho, às 17:00;

O brasileiro Jeferson Tenório lança “Estela sem deus” (Companhia das Letras) no dia 13 de junho às 18:00 e antes disso estará a dar autógrafos no pavilhão da Penguin;

A autora brasileira Djamila Ribeiro estará presente na sessão de lançamento do livro “Cartas Para a Minha Avó”, apresentado por Gisela Casimiro e Kalaf Epalanga a 15 de junho, às 19:30, na Praça Leya.

Quer comentar a notícia que leu?