A carreira 708 da Carris foi prolongada até Loures, ligando o Martim Moniz à Urbanização Real Forte, em Sacavém. Os presidentes das Câmaras de Lisboa e Loures foram dos primeiros passageiros.Os moradores da freguesia de Sacavém podem usufruir, desde hoje, da extensão da carreira 708 da Carris, num percurso que liga o Martim Moniz a Sacavém, junto ao Real Forte.

Na viagem inaugural, que teve dois passageiros especiais: os presidentes das Câmara Municipais de Lisboa e Loures, designadamente Fernando Medina e Bernardino Soares, o presidente da Carris, Tiago Farias, salientou que, o reforço da rede da empresa, pretende «dar resposta ao aumento da procura dos residentes da Área Metropolitana de Lisboa, que aderiram à nova proposta de tarifários». Um reforço que passa por alargamentos e extensões de carreiras, além de reforço na frequência, revelou.

A inauguração formal desta carreira foi assinalada ao início da tarde, numa cerimónia que juntou os presidentes das Câmaras Municipais de Lisboa (Fernando Medina) e de Loures (Bernardino Soares), que realizaram uma curta viagem entre Sacavém e a Estação do Oriente (Lisboa).

No final, os autarcas sublinharam a importância que esta carreira vai ter para os habitantes dos dois municípios, mas também destacaram o futuro da mobilidade na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

«Temos estado a trabalhar na resolução destas questões pontuais e que a Carris pode, com ganho para todos, servir melhor as populações e estamos a trabalhar noutro projeto que é um concurso para uma marca única, que será a Carris Metropolitana», afirmou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Os autarcas reafirmaram a aposta na mobilidade e transportes públicos como uma das maiores prioridades da Área Metropolitana de Lisboa para os próximos anos.

Para Fernando Medina, que também é presidente da Área Metropolitana de Lisboa (AML), os próximos 10 anos de investimento público na AML, com cofinanciamento comunitário, passa por “dar uma grande prioridade à mobilidade ao nível metropolitano. Em segundo lugar, nós e os municípios vizinhos iremos apresentar uma proposta.

O presidente da autarquia lisboeta, à semelhança do seu homólogo de Loures, defendeu a necessidade «nos concelhos mais populosos de haver ligações em transportes pesados, mais eficazes».

Por esta razão, sublinha o autarca de Lisboa, «temos que tratar em conjunto o problema da mobilidade na área metropolitana e esta convergência política já nos deu grandes conquistas. O passe único é o primeiro “filho” desta convergência política».

Fernando Medina sublinhou fez, ainda, questão de realçar «a convergência política com o Governo, que estabeleceu como um dos seus grandes objetivos no combate às alterações climáticas a promoção do transporte público». Nesse sentido, existe trabalho, em conjunto, para a área metropolitana apresentar uma proposta integrada ao Governo para depois se decidir quais os ciclos de investimentos e, a partir dai, avançar para a execução».

Nova marca aumenta oferta

Também sobre a possibilidade de a Carris estender algumas das carreiras a outras áreas de Loures, Fernando Medina afirmou que tem sido possível estar «a trabalhar na resolução destas questões pontuais, que a Carris pode, com facilidade, servir melhor as populações».

O presidente da câmara de Lisboa referiu haver um outro projeto «que, em breve, estará aprovado: o lançamento de um concurso único, na área metropolitana, sob uma nova marca – Carris Metropolitana-, com autocarros iguais aos da Carris e que funcionará com o mesmo sistema de informação, com um sistema integrado de horários, que funcionará em toda a área metropolitana».

Fernando Medina refere que este plano de marca única provocará «um acréscimo de oferta de 40% em relação à que existe atualmente «.

Bernardino Soares exige transporte ferro-carril

Já o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardina Soares, considerou que esta «extensão da Carris a Sacavém era óbvia. Vai ter um efeito positivo para a mobilidade das pessoas de Sacavém e de toda a zona oriental do concelho de Loures. Mas, também, trazendo novos utentes à empresa».

Em relação à possibilidade da extensão de outras carreiras da Carris ao concelho de Loures, Bernardino Soares foi mais cauteloso, afirmando haver «expectativas em relação ao ajuste de outras carreiras, que já entram no concelho e podiam ir a outras áreas», salientando a boa relação e diálogo existente com a câmara de Lisboa, «para se estudarem novas oportunidades».

O presidente da câmara de Loures foi claro ao defender a diferença de abordagem atual para a questão da mobilidade, referindo: «começamos a olhar para o problema dos transportes com uma visão integrada e metropolitana. Isso faz com que tenhamos uma perceção do problema, completamente diferente daquela que existia há alguns anos».

Por isso, “estamos a trabalhar na área metropolitana para tentar chegar a um entendimento sobre quais são os grandes investimentos em transporte ferro-carril necessários para área metropolitana no seu conjunto”.

Quer comentar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.