LISBOA COM MAIS 400 ESPLANADAS E RUAS PEDONAIS

Respeitando o distanciamento físico dos peões, foram autorizadas o alargamento de mais 400 esplanadas, incluindo 57 que ocupam espaços de estacionamento. Desta forma, Lisboa está a mudar, havendo mais ruas pedonais, passeios e ciclovias.

A vida dos portugueses mudou radicalmente nestes meses de pandemia, originando também mudanças nas cidades e, Lisboa, como a maioria das grandes cidades europeias, está a adaptar-se à nova normalidade, com uma série de intervenções que garantem maior distância física nas ruas e passeios.

O programa «A Rua é Sua» é bem um exemplo disso, promovendo a segurança da saúde pública, a mobilidade ativa e, ao mesmo tempo, defende o comércio local com mais áreas para esplanadas para garantir maior segurança aos clientes e trabalhadores.

Este programa, que se encontra em execução, está a alargar passeios, áreas de espera junto a superfícies comerciais com maior movimento, a criar ruas exclusivamente pedonais (como as ruas dos Bacalhoeiros e Nova da Trindade, ou a Cláudio Nunes em Benfica) e o alargamento do espaço das esplanadas, incluindo a ocupação de lugares de estacionamento.

Nas últimas semanas, segundo anuncia a Câmara da capital, as juntas de freguesia autorizaram o alargamento de mais 400 esplanadas em zonas que não colocam em causa o necessário distanciamento físico dos peões, incluindo 57 que ocuparam lugares de estacionamento.

Aplicadas um pouco por toda a cidade, estas medidas são complementares ao alargamento da rede ciclável, que prevê mais 70 quilómetros de ciclovias até ao final do ano, «rentabilizando», assim, os transportes públicos limitados na sua lotação durante a pandemia e evitando que milhares de pessoas que deixem de utilizar os transportes privados nas deslocações ao centro da cidade.





Estas iniciativas pretendem, como reconhece a autarquia, incentivar os modos ativos de mobilidade, que constituem uma opção segura e viável para garantir maior distanciamento nos transportes e aliviar a pressão automóvel na cidade.

Quer comentar a notícia que leu?