MOBI.E INAUGURA ‘HUB’ DE CARREGAMENTO EM LOURES

A MOBI.E inaugurou esta quarta-feira, dia 13 de julho, um novo hub de carregamento para veículos elétricos, na Rua das Giestas, na Bobadela. Loures é o terceiro concelho do país a receber este hub, que pode permitir o carregamento de até nove veículos em simultâneo.

O projeto prevê a instalação de nove hubs em todo o país, representando um investimento de cerca de dois milhões de euros, integrado no Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), lançado pelo Governo e com financiamento do Fundo Ambiental. Loures recebe agora este equipamento, que já existe nos concelhos de Leiria e Guimarães. Futuramente, este hub será instalado nos concelhos de Almada, Coimbra, Loulé, Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viseu.

Um hub é constituído por um posto de carregamento ultrarrápido (150 kW), três postos de carregamento rápido (50 kW), cinco postos de carregamento normal (22 kW) e um posto de transformação, permitindo o carregamento simultâneo de até nove veículos.

O hub de Loures irá ser operado pela EDP Comercial ao abrigo de um contrato de concessão de 10 anos, estabelecido na sequência de um Concurso Público Internacional promovido pela MOBI.E. Assim, e com esta nova infraestrutura de carregamento, o Município de Loures passa a contar com um total de 70 postos de carregamento, ligados à rede MOBI.E, situados em espaços públicos e privados.

Até à instalação deste hub, o concelho de Loures tinha 49 postos de carregamento, dos quais 31 estão instalados em espaços públicos, a que acrescem 66 tomadas. Destes valores, 25 são postos normais (com potência de 3,7 KW), cinco são de carregamento semirrápido (com 22 KW) e um é de carregamento rápido (com 50 KW). O novo hub, instalado na Bobadela, tem no total, nove postos, todos com potências superiores aos já existentes nos espaços públicos do concelho.

Deste número, cinco postos são de carregamento normal (22 KW), três de carregamento semirrápido (50 KW) e um rápido (com potência de 150 KW). No entanto, e de acordo com a Câmara de Loures, existem “um número crescente de postos de carregamento” com estas potências situados em “locais privados de acesso público”, como é o caso das áreas de serviço, superfícies comerciais, entre outros.






Recorde-se que a rede pública de postos de carregamento resulta do projeto piloto instalado em 2010, financiado pelo Estado Português. Para o presidente da MOBI.E, Luís Barroso, o reforço de postos de carregamento vai permitir “diminuir os níveis de ansiedade da população”. Ainda de acordo com o presidente da MOBI.E, em junho de 2022 “registaram-se um milhão de carregamentos”, sendo que a utilização dos postos de carregamento “tem vindo a bater recordes”. Por isso, e devido a estes números, que “num só mês já chegaram a ser 200 mil carregamentos”, Luís Barroso considera que é imperativo continuar a expandir a rede de postos de carregamento público de veículos elétricos, mas também em apostar na transição energética.

Segundo o mesmo, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê que “Portugal tenha 15 mil postos de carregamento até 2025”, sendo que, atualmente, existem cinco mil postos em todo o país. No entanto, e para ajudar nesta expansão, Luís Barroso considera que os municípios têm de “ser sensibilizados”, e só com esta sensibilização é que se conseguem “acelerar os processos de licenciamento”. O presidente da MOBI.E terminou a sua intervenção a agradecer a colaboração da Câmara Municipal de Loures para a instalação deste hub, avançando ainda que está prevista a instalação de postos de carregamento ultrarrápidos em 22 distritos do país.

Para o presidente da União de Freguesias de Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela, Nuno Leitão, a instalação deste hub na localidade “é uma alegria muito grande”, e salienta que a freguesia “está no patamar de ouro das eco freguesias”. Ainda no seu entender, a existência do hub de carregamento na Bobadela vai ajudar a dinamizar o comércio local, mas também a valorizar o território. Já para Ricardo Leão, presidente da Câmara Municipal de Loures, “este é um dia feliz para o concelho”, uma vez que esta nova infraestrutura vem permitir a que Loures se afirme, cada vez mais, como um concelho que “se preocupa com as alterações climáticas”.

Nesta vertente, o autarca deu ainda como exemplo as comemorações do concelho, que começam esta sexta-feira, dia 15 de julho, e que vão ter como tema o ambiente. Neste evento, salientou Ricardo Leão, “os brindes são feitos com material reciclado”, o que mostra a preocupação da autarquia de Loures com as questões do ambiente e das alterações climáticas. Outro exemplo dado pelo presidente da Câmara Municipal foi ainda o futuro parque verde que irá acolher as Jornadas Mundiais da Juventude, em 2023, o qual “será regado com águas reutilizadas, provenientes da estação de Beirolas”. Ainda na perspetiva de Ricardo Leão, “é um crime usar água potável para regar os parques públicos e as ruas” e afirmou o compromisso da autarquia em “estar na vanguarda” na adoção de medidas sustentáveis e que “melhoram a vida das pessoas”.

O presidente da Câmara Municipal de Loures salientou também, na sua intervenção, que é necessário continuar a apostar na recolha seletiva dos resíduos, e deu o caso da União de Freguesias de Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela, “que tem sido pioneira” nesta questão. Ricardo Leão deu ainda o exemplo do Parque da Cidade de Loures, cuja energia elétrica do parque infantil é originada através dos movimentos das crianças, e acrescentou que esta é uma ideia que quer replicar noutros parques do concelho de Loures.

O autarca disse ainda que os “municípios são parceiros essenciais para cumprir os objetivos da neutralidade carbónica” e no caso de Loures, o cumprimento destas metas passa também pela expansão do Metropolitano de Lisboa até Loures, o que vai retirar carros em circulação no concelho, assim como já faz o comboio suburbano. De acordo com os dados da autarquia, tem havido um crescimento na procura pela mobilidade elétrica no concelho, uma vez que a MOBI.E registou um aumento de 20% na energia fornecida e ainda de 17% no número de utilizadores registados que utilizaram estes postos. Nos primeiros sete meses do ano, foram fornecidos mais de 15 mil Mwh a veículos elétricos, conseguindo evitar ainda a emissão de mais de 12 mil toneladas de CO2.

Para já, Câmara de Loures está a desenvolver o Plano de Expansão da Rede de Postos de Carregamento de Veículos Elétricos no concelho, postos estes que serão instalados em locais de domínio público e em articulação com as Juntas de Freguesia. Ricardo Leão terminou o seu discurso a agradecer a presença do Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, nesta inauguração, acrescentando que conta com ele para ajudar a acelerar o processo de transição energética em Loures.

Duarte Cordeiro considera que esta transformação em Loures terá um impacto muito significativo na Área Metropolitana de Lisboa. Na sua intervenção, o ministro relembrou as medidas que o Governo tem feito na área da sustentabilidade, sintetizadas em três palavras: redução (de viagens não essenciais), transferência, onde se inserem as deslocações de forma partilhada, e onde se destaca o Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos (PART), e que já permitiu reduzir, em média, 38% do preço das viagens nos transportes coletivos.

O ministro salientou ainda a criação de linhas de transporte flexível e os planos em curso para a expansão do Metro em Lisboa e no Porto, a aquisição de autocarros de baixo consumo e a construção do metro de superfície entre os concelhos de Odivelas e Loures. A última palavra que resume a ação do Governo na área das alterações climáticas é melhorar, ou seja, aumentar “a eficiência das nossas deslocações através da mobilidade elétrica”. Nesta área, Duarte Cordeiro reforçou que é intenção do Governo manter os apoios relacionados com a aquisição de veículos elétricos e de pontos de carregamento, e espera, no futuro, que o hidrogénio seja mais uma opção à mobilidade.

“O Fundo Ambiental foi reforçado, e agora há mais 10 milhões de euros para a aquisição de veículos zero e de postos de carregamento”, disse o ministro, que acrescentou ainda que “a frota de carros elétricos tem crescido 60% por ano”, pelo que faz todo o sentido manter estes apoios. Segundo Duarte Cordeiro, a MOBI.E prevê ainda a instalação de postos de carregamento no interior do país, para que se torne cada vez mais cómoda a “aquisição de um carro elétrico”. O Ministro do Ambiente e da Ação Climática disse ainda que os transportes públicos constituíram, em 2019, cerca de 28% das emissões totais de gases de efeito de estufa, sendo que o Plano Nacional de Mobilidade e Transporte prevê, no futuro, incorporar 20% de energias renováveis nos meios de transporte.

Duarte Cordeiro acrescentou ainda que estes consumiram 73% de todo o petróleo existente, pelo que se torna necessário “perceber a importância da redução do uso dos combustíveis fósseis”, acrescentando que, em seis milhões de carros que circulam em Portugal, apenas 100 mil são elétricos. Para o ministro, o ideal é “antecipar estas metas para a transição energética, acrescentando novas tecnologias, como o hidrogénio”, e sobretudo, incentivar para esta mobilidade sustentável.

Nesta cerimónia, esteve também presente o administrador da EDP Comercial, Tiago Fonseca, que adiantou que a mobilidade elétrica apenas representa “25% da emissão de gases com efeito de estufa e que está no centro da transição energética”, a qual está a ser acompanhada pela EDP. A empresa prevê ainda, investir mais de 25 mil milhões de euros nesta àrea, através das energias renováveis, da renovação das infraestruturas de passagem e fornecimento de eletricidade. Tiago Fonseca referiu ainda que atualmente, existem “45 mil pessoas com cartão de carregamento nos postos públicos”, o que mostra uma adesão às novas formas de mobilidade, até porque o consumo num veículo elétrico, para além de mais sustentável, é mais baixo do que num carro a combustão.

Atualmente, “há mais de 100 modelos de carros elétricos na Europa”, sendo que a EDP tem vindo a reforçar a presença de postos de carregamento em edifícios e locais públicos, tais como hotéis, restaurantes, entre outros, onde existem, no total 1300 pontos de carregamento, sendo que espera atingir, até ao final do ano, três mil postos.

Esta inauguração terminou com o carregamento de um veículo elétrico no hub. Esta nova infraestrutura junta-se aos mais de 2.600 postos de carregamento e cerca de 5.550 tomadas de acesso público detidas pela MOBI.E em todo o país.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quer comentar a notícia que leu?