NA MARCHA DA MOURARIA A TRADIÇÃO PASSA DE PAIS PARA FILHOS

Os ensaios da Marcha da Mouraria vão de vento em popa no Grupo Desportivo da Mouraria. Após os ensaios, que começaram em abril, a Marcha da Mouraria apresenta-se no Altice Arena, no dia 3 de junho. Depois, volta a desfilar na noite de 12 para 13 de junho na Avenida da Liberdade.

A coordenadora da marcha da Mouraria, Carla Correia, conta a Olhares de Lisboa que, ao princípio, houve receio que existisse pouca adesão à marcha, devido à pandemia que ainda se faz sentir. A média de idades dos marchantes está a rondar os 40 anos, mas a Marcha da Mouraria conta ainda com jovens na casa dos 14/15 anos.

“A grande parte vem por influência dos pais, posso até falar por mim, eu e a minha irmã fomos marchantes e agora foi a minha sobrinha, com 14 anos, que pediu para entrar na marcha. Enquanto ela não fosse da marcha não descansava”, conta a coordenadora, cuja neta vai ser porta-estandarte na edição de 2022.

Metade dos marchantes são da freguesia e já pertencem à marcha há muitos anos. Não existem grandes requisitos para entrar na Marcha da Mouraria. “As pessoas têm de aprender as letras, mas não são obrigadas a saber cantar, no conjunto tudo se arranja”, conta Carla Correia.

Segundo a coordenadora, a maior da parte das pessoas que se inscreve na Marcha da Mouraria é conhecida, o que facilita a seleção. Contudo, as que não são conhecidas, são sujeitas a uma breve apresentação. “Aí, vemos logo quem tem jeito e quem não tem, quando as pessoas começam a marchar vemos logo quem tem queda para isto”, explica.

Os últimos dois anos sem desfile, no entender de Carla Correia, “foram muito complicados, porque é difícil chegar a esta altura e não ver nada, é triste. Ficámos mesmo muito tristes por não ser possível realizar os desfiles, mas o nosso pensamento foi sempre de que haviam de chegar dias melhores”.





O grupo de 50 marchantes, 48 efetivos e dois suplentes, ensaia todos os dias, das 21h30 às 23h30 no Grupo Desportivo da Mouraria. Os ensaios arrancaram a 5 de abril, mas houve necessidade de parar uma semana devido ao mau tempo que se fez sentir na altura.

Os ensaios decorreram “na maior normalidade possível”, tendo em conta as orientações da Direção Geral da Saúde (DGS). No entanto, o uso de máscara e o distanciamento social não foram totalmente aplicados, porque, segundo a coordenadora, “inviabiliza tudo aquilo que se tem de fazer nos ensaios, que é cantar e marchar”.

Sobre a pandemia, os integrantes da Marcha da Mouraria (vencedora em 1968 e em 1981) não se mostram com receio do vírus. “Eles nem se lembram da Covid”, acrescenta a coordenadora, revelando que, no caso de alguém ficar infetado, será imediatamente substituído.

Em 2022, os padrinhos da Marcha da Mouraria serão os cantores Vanessa Silva e FF. Os figurinos são da autoria de Paulo Julião e o ensaiador da marcha é Reinaldo Ventura. Já os autores das músicas são Flávio Gil e Carlos Dionísio. Enzo Sousa e Maísa Oliveira serão as mascotes.

No entender de Carla Correia, a paragem forçada não afetou em nada o trabalho dos participantes, acreditando que eles irão fazer uma boa prestação na Avenida da Liberdade.

Visite a loja: https://olharesdelisboa.pt/produto/mouraria-2019/

 

Quer comentar a notícia que leu?