NOVO EQUIPAMENTO SOCIAL NASCEU EM CAMPO DE OURIQUE

0

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, acompanhada pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Edmundo Martinho, inaugurou, na Rua Ferreira Borges, em Campo de Ourique, um novo equipamento com Academia de Atividades, Residência Assistida e Centro de Dia, que integra o Projeto Espaços InterAge, do Programa “Lisboa, Cidade de Todas as Idades”.

Em Campo de Ourique nasceu o Centro Intergeracional Ferreira Borges, um novo equipamento com Academia de Atividades, Residência Assistida e Centro de Dia, que integra o Projeto Espaços InterAge, do Programa “Lisboa, Cidade de Todas as Idades”, que implicou um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros nas obras de reabilitação de um edifício.

O projeto contempla as seguintes valências: Academia de Atividades e Residência Assistida (num total de nove: quatro residências no piso 3 e cinco residências no piso 4); reinstalação da Residência Assistida Carlos da Maia e do Centro de Dia Stº Condestável; atividades sócio-educativas direcionadas a crianças e a jovens; espaço de inclusão digital; e apoio alimentar às comunidades. Este Centro de Dia passará a integrar o Projeto Espaços InterAge, enquadrado no Programa Lisboa Cidade de Todas as Idades.

A ministra Ana Mendes Godinho, que anunciou que o Governo prevê investir 420 milhões de euros em infraestruturas que permitam o envelhecimento saudável e ativo, realçou o facto de este novo espaço de Campo de Ourique conjugar várias respostas sociais, permitindo a partilha dos «saberes da vida» entre diferentes gerações. A governante fez questão de salientar que, «este é também um espaço intergeracional em permanente atividade que demonstra, e bem, que a Santa Casa não parou e que foi uma instituição determinante no combate à pandemia, auxiliando quem mais precisa».

O centro Intergeracional Ferreira Borges é, na perspetiva de ministra, um centro aberto à comunidade, a todas as gerações e estratos sociais, que vai implementar uma resposta dinâmica e de proximidade em função das necessidades e expetativas da população».

Por seu turno, Fernando Medina sublinhou que este espaço «marca o arranque do mais ambicioso projeto que a Santa Casa e a Câmara têm na área do Envelhecimento, saudável e ativo», relembrando que a cooperação entre as duas entidades passa pelas «respostas aos mais jovens, nomeadamente à infância com as creches, nas respostas ao público mais vulnerável e, ainda, nas respostas para os mais velhos, designadamente através do programa RADAR da Santa Casa destinado aos idosos isolados.»




Defendendo que «deve ser a cidade a adaptar-se às pessoas e não o contrário», o autarca salienta que com o programa Lisboa, Cidade de Todas as Idades «queremos manter as pessoas ativas e, assim, a cidade também vai beneficiar da sua autonomia».

Já para o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho, «este projeto simboliza o que pretendemos fazer em conjunto com a autarquia», no sentido de «dotar a cidade de respostas mais qualificadas e, sobretudo, mais aberta à comunidade».

Edmundo Martinho explicou que «o nosso compromisso é dotar Lisboa de respostas concretas para todas as idades e gerações», diminuindo o isolamento social dos idosos que vivem em Lisboa e que constituem um quarto da população da cidade, com o maior e mais ambicioso programa de investimento na rede de cuidados, apoio domiciliário ou a requalificação do espaço público, tornando-o mais amigo dos idosos.

O espaço InterAge, que tem uma lavandaria industrial aberta à população, pretende estimular a solidariedade intergeracional, promover o «exercício de cidadania e das pessoas num projeto comum.

Aliás, como explicou a diretora deste espaço, Isabel Araújo, existem neste momento atividades entre alunos de uma Escola de Hotelaria e os utentes deste novo equipamento social. Os alunos dessa escola estão «a recriar», com as «dicas» dos mais velhos, algumas das receitas tradicionais portuguesas que passaram de «pais para filhos». No final, vai existir uma «grande petiscada».

Perante este trabalho intergeracional, Isabel Araújo lembra que a Santa Casa tem seguido o princípio da promoção de um envelhecimento ativo, saudável e inclusivo e, por isso, tem desenvolvido um trabalho essencial no apoio às pessoas mais velhas, trabalhando em rede com as entidades locais de forma flexível e ajustada aos interesses de todos.

 

Quer comentar a notícia que leu?